Sex and the City ou Abracadabra...

Eu nunca tinha assistido “Sex and the city”. Ontem, domingo... depois de um milk shake de morango no Bob's com uma amiga. Ambas solteiras, ou quase isso. Mas sozinhas no domingo, ela me indicou o filme. Eu queria algo policial ou sangrento, mas aceitei a indicação.

Depois que todo o mundo já havia se rendido ao charme de Sara Jéssica Parker eu, enfim, me rendi á bruxinha de “Abracadrabra” assistido tantas vezes na sessão da tarde. Pois é. Ela era a bruxa loira. Não lembraram da pinta ou do queixo pontiagudo?!

Então, segunda de manha acordei um pouco mais cedo que meu horário de costume 6:15 e não liguei para o cara que eu fico como de costume para acorda-lo.

Li meus jornais ainda na cama, conferi e-mails, não havia ninguém no msn. Também eu era a única maníaca acordada que só trabalha depois das duas. Logo, desci para assistir ao filme.

E enrolada em um edredon no sofá da sala, chorei. Comovi-me com a história delas. E, com a minha. Senti-me um pouquinho de cada uma. Tirando a mocinha que não depilava a virilha!

As dores, frustrações, drinks e salto alto. Vi-me com 40 anos e pensei: "Se eu sou esta tragédia sentimental aos 22, imagina aos 40". Percebi que só quem não tem medo do futuro são os loucos. Eles não pensam no amanha. E nós mulheres, vivemos pensando mais no amanha do que no agora.

Imaginamos como serão o aniversários de namoro, sem nos darmos contas que todos os trinta dias anteriores foram especiais. Mesmo com muitas brigas, ou se vendo pouco por causa do trabalho. Tem hora que pensamos no amanhã como se nós pudéssemos tomar todas as decisões. Por nos e por eles.

Ah, como diria a Beyoncé “If I were a boy”, quantas coisas diferentes nos faríamos por eles. O problema é que se nós não conseguimos lidar com as nossas aflições e angústias como nos achamos capazes de queremos pensar por eles. Nós temos que parar com essa mania boba de viver em torno do que eles estão pensando ou fazendo. Não temos que malhar porque eles querem ou engordar porque eles não ligam.

Não precisamos mudar nosso jeito de ser ou de vestir, ou pior, parar de pintar o cabelo! Se quisermos ficar em casa que fiquemos por nossa causa. Se quisermos sair que saiamos também por nós mesmas. Não sair porque ele não quer, ou para encontrar com ele na rua.

Devemos viver as nossas vidas. Cuidar das nossas vidas. E aquela historia que todo mundo já colocou no Orkut um dia, seja por causa de uma desilusão amorosa ou por que achou um texto bonito, de cuidar do jardim para que as borboletas se aproximem é uma grande verdade.

Temos que cuidar de nós. Pensar em nós. Nos amar, mas não sermos tão egoístas ao ponto de acharmos que nós que tomamos todas as decisões. Se quisermos realmente um relacionamento isso requer que ambas as pessoas conversem. Que elas digam o que realmente sentem e desejam. Não deixem o dialogo de lado. Não fiquem mudos e mudas ou saiam do msn. Porque quem sai do msn é porque não tem argumento. E nós meninas, nos sempre temos argumentos.

Não deixem de falar o que sentem e o que pensam na hora que estão pensando. Às vezes achamos que deixamos transparecer, mas nem sempre somos boas nisso. E homens não reparam detalhes. Lembro-me de uma frase do Joe, irmão da Blosson, lembra? Se você não disse nada, nada será dito.

Se você está chateada, diga isso a ele. Se você quer se casar, diga isso a ele. Se você o ama, diga isso a ele. Conversem! Não perca momentos por medo de dizer o que pensa. Não deixe o medo de dizer ser maior que o medo de perdê-lo. Abra as correspondências, os e-mails e as mensagens. Corram atrás dos sonhos de vocês. Que eu também vou tentar correr atrás dos meus!!! S2

Comente

Assuntos relacionados: amor filmes medo sonhos cabelos loiros