Separação de Sthefany Brito e Pato - super pensão é alvo de polêmica

Largar tudo pelo casamento

Foto/Arquivo MBPress

Ainda hoje mulheres largam tudo em busca de um grande amor. Sthefany Brito preferiu abandonar a carreira de atriz para se dedicar totalmente ao casório com o jogador do Milan Alexandre Pato. O casamento durou pouco, com direito muita polêmica em torno da separação do casal. A atriz ganhou na justiça o direito de receber 20% dos rendimentos do ex-marido como pensão- o salário mensal de Pato é estimado em R$ 650 mil, o que rende a Sthefany cerca de R$ 130 mil.

Antes o valor acordado foi de 5 mil reais, mas Sthefany conseguiu uma quantia maior e além disso 20% de todos os contratos de publicidade que o craque do Milan assinar ao alegar que se afastou da carreira por conta do casamento. A super pensão da atriz foi motivo suficiente para estar no topo dos assuntos mais comentados entre os brasileiros no Twitter e pelo visto deve ainda dar pano para a manga.

Ela largou tudo pelo marido

Polêmicas à parte. Fato é que muitas mulheres realmente abandonam tudo pelos seus maridos e não medem esforços pelo casamento. Foi o que aconteceu com a relações públicas Sandra Pereira*, 36 anos, que saiu do seu emprego para acompanhar o marido. "Ele mudou de cidade por motivos profissionais e tive que acompanhá-lo. A proposta era irrecusável e eu larguei tudo. Fomos morar em uma cidade com 13 mil habitantes, no interior de Minas Gerais. No começo foi bem difícil, pois estava longe da minha família, dos amigos e eu não fazia absolutamente nada a não ser viver em função dele. Mas também fiz muitos amigos por lá que mantenho contato até hoje", conta.

Durante o casamento, Sandra chegou a ser chamada por algumas empresas. "Mas os salários oferecidos eram baixos e meu gasto seria muito maior, tendo em vista as despesas com carro e transporte para outras cidades. Na verdade, em todas as oportunidades eu deixava ser manipulada pelo meu marido, devido aos obstáculos que ele colocava". Mesmo com uma vida pacata e tranqüila, cheia de conforto, e com a vinda para o interior de São Paulo logo depois - o que significava estar mais perto da família que mora no litoral paulista -, a separação foi inevitável.

Sandra acredita que a falta de diálogo e a indiferença foram as principais causas da separação. Quando ela ia visitar a família e os amigos na Baixada Santista, ele sempre colocava empecilhos para que ela voltasse para a cidade em que moravam. "Era eu ir para Santos e o drama começava. A ponto de dizer que estava doente, que não saberia cuidar dos cachorros. E quando eu voltava, era pior, a casa estava de cabeça para baixo", diz. Entretanto, no final das contas, ela mesma chegou a conclusão de que os dois não estavam preparados para essa nova vida, principalmente ela, que prezava muito pela sua liberdade, pela sua rotina de trabalho.


A separação veio seis anos depois do casamento e a pensão foi conversada antes dos dois entrarem com o processo de divórcio. "O acordo foi amigável. Na verdade nos separamos muito tranquilamente. Revemos as contas, o que não o prejudicaria e nem me deixaria em desvantagem. Ele continua me ajudando quando solicito algo. Acordamos a pensão, mais uma determinada quantia em dinheiro ao término dela, afinal existem bens", explica. "Hoje tenho meu trabalho, minha casa, minha liberdade", finaliza Sandra que conseguiu dar a volta por cima.

*nome fictício

Por Juliana Lopes

Comente