Relações tóxicas

Relações tóxicas

Foto: Dreamstime

Se, depois de estar com um namorado, amigo, colega, você costuma sentir-se angustiada, preocupada, ou ansiosa, está na hora de começar questionar esse relacionamento. É que como você se sente depois de estar com alguém, é um indicador do quanto esse relacionamento é bom, ou não, para você.

As interações que temos com outras pessoas só valem à pena quando compartilhamos ideias, sentimentos e experiências que, na média geral, nos trazem alegria, bem-estar, acolhimento.

Não é porque o outro parece se importar com você, porque tem uma conversa envolvente, ou faz com que se sinta especial, que o envolvimento com essa pessoa será, necessariamente, uma relação positiva. Cuidado para não abrir mão do bom-senso, ou poderá se deixar manipular facilmente.

Não se trata de sair por aí desconfiando de tudo e de todos, mas de manter os pés no chão. Não permita que a sua necessidade de afeto faça com que idealize alguém, atribuindo a essa pessoa qualidades que ela não tem.

Por maior que seja a química entre vocês, procure manter o discernimento. Preste atenção nas histórias que ele conta e em como se comporta. Muita gente se envolve em relações problemáticas por não perceber os sinais que o outro dá da sua real personalidade. Em geral, acontece quando a pessoa está apaixonada e disposta a tudo para que o relacionamento dê certo.

Certas pessoas tendem a arrancar grandes porções de energia daqueles com quem convivem. A tirania, entretanto, frequentemente, usa a bandeira do amor. Em seu nome o tirano impõe seu desejo sem preocupações.


A falta de autoestima e a dependência do outro, fazem com que muitos se tornem reféns voluntários de relações tóxicas. Mas entrar ou permanecer nesse tipo de relação é uma escolha. Cabe a cada um aprender a se defender desse tipo de vínculo maléfico.

A colunista Jael Coaracy é escritora, personal e executive coach. Contatos - jaelcoaracy@gmail.com http://www.vaidarcerto.com.br

Comente