Pegar no pé do amado

Pegar no pé do amado

A relação entre os homens e mulheres é complicada desde os primórdios da história humana na Terra. O problema é que um não vive mesmo sem o outro e precisa aprender a tolerar o muitas vezes, intolerável. Homens que o digam, quando um turbilhão de hormônios resolve correr pelas veias femininas e destruir bom senso, cordialidade, paciência.

As mulheres então se transformam nos monstros chatos ou na mala sem alça ou rodinha cada vez que pegam no pé dos amados. “E elas pegam mesmo. Nenhum homem gosta de ser pressionado e acho que as mulheres se esquecem disso”, fala Rafael, 28 anos. O amigo dele, Roberto, se apavora cada vez que pensa na pegação de pé e nos escândalos que a mulher faz. “Ela é cheia de armar barracos. Isso é realmente um inferno”, desabafa.

Para Juliano, 25, o pior é quando as mulheres acham que o homem pode adivinhar o que elas pensam. “Elas não falam, ficam fazendo jogo, e acho isso péssimo. Não tem nada de charmoso e é apenas para pegar no pé”.

Fora isso, há toda a chateação básica, resultado de insegurança e ciúme. “Pegar no pé e fiscalizar 24 horas por dia não adianta nada. Eu fico com mais raiva ainda”, conta Luciano. Mandar mensagem no celular o tempo todo ou ligar pode ser atestado de insegurança mesmo e, às vezes, dar motivo para aquela traição tão assustadora. “Ter uma pessoa te fiscalizando e perguntando com quem, quando e onde está é um saco”, dispara Max, 26. E aquilo que toda mulher acha que é motivo de briga - toalha jogada no chão, bagunça ou atraso - nem faz cócegas nos ânimos deles. “A gente odeia mesmo quando elas ficam de fofoca, falando da vida dos outros. Isso sim é chato. Pegar no pé, por pequenas coisas, nem é tão ruim assim”, continua.


Pelo jeito, para eles a pior ‘pegação’ no pé passa longe das besteirinhas do dia-a-dia. O que eles querem é uma mulher que impressione, mas sem exageros. “A gente quer aquelas que têm personalidade própria”. Ainda bem!

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente