Para uma lua-de-mel perfeita

Para uma luademel perfeita

Cancun. Foto: divulgação.

A lua-de-mel é sempre a cereja do bolo de um casamento. Depois de passar meses preparando a cerimônia (e a nova vida a dois), tirar umas férias da vida real, super bem acompanhada, é como um ritual de passagem. A vida de solteira ficou mesmo para trás e agora, com uma viagem juntinhos, a nova vida começa. Mas, como qualquer boa viagem, a lua-de-mel também exige muita programação - sob o risco de virar um pesadelo que casal algum merece.

Uma agência especializada em viagens desse tipo, a Be Happy Viagens, afirma que os destinos geralmente escolhidos pelos recém-casados (dispostos a gastar um pouquinho mais) são ilhas e as cidades da Europa. "Eles preferem as praias como Cancun, Ilha de Maurício, Taiti e Caribe. Outros destinos comuns são Paris, Itália, Costa Amalfitana e Grécia", conta Jacqueline Dallal Mikahill, consultora da agência. Um bom destino indicado pela agência é a África do Sul.

Escolher o lugar mais romântico vai depender de cada casal. Enquanto para uns caminhar pelas ruas de Paris é como andar nas nuvens em formato de coração, para outros, uma boa pousada nas montanhas não pode ser mais sugestivo para o amor.

"Nossa viagem para as Ilhas Maurício foi simplesmente incrível! Parecia que tínhamos saído do avião e iniciamos um sonho real", contam o casal Alekssandra e Ricardo Craveiro. "Aproveitamos bastante para mergulhar e passear de catamarã. No hotel, tínhamos à disposição um mordomo, que preparava banhos de sais e que estava ao nosso dispor para nos atender rapidamente", lembram.

Marta Ferreira Turelli e Rodolfo Turelli preferiram a África do Sul e se encantaram com Cape Town, uma cidade cercada por cadeias de montanhas e dois oceanos, com mansões cinematográficas, conhecida como a Mônaco da África. Os dois fizeram safáris e conheceram o Cabo da Boa Esperança. "Foi uma experiência fascinante. Vimos pinguins, focas, baleias e nadamos (na gaiola, é claro!) ao lado de um tubarão branco. A África do Sul é, com certeza, uma viagem imperdível".

Segundo Jacque, o tempo de viagem depende muito da disponibilidade do casal em estar de férias, mas o normal para uma lua-de-mel é tirar entre 10 e 18 dias para aproveitar bem o destino.

Quem já gastou demais com a festa de casamento pode e deve fazer uma viagem para curtir a vida de recém-casados. Os pacotes econômicos existem e não significam menos diversão ou beleza. "As opções mais econômicas são hotéis e resorts com "all inclusive", tanto para o Caribe quanto para o Nordeste", compara a consultora.

Ela diz ainda que os preços variam conforme o período e também a categoria de hospedagem. "Uma viagem de uma semana para casal no Caribe, custa em média R$ 8 mil. Já uma para Ilhas de Maurício, na África, por 12 dias, custa em média R$ 18 mil. Para Paris, durante uma semana, a média de preço é R$ 12 mil", relata.

Os destinos aqui no Brasil não são sempre mais baratos do que isso, mas as experiências podem ser igualmente incríveis. A Etnia Pousada & Boutique, em Trancoso, na Bahia, por exemplo, oferece bangalôs com diferentes temas que, na alta temporada saem por R$ 554 e, na baixa, por R$ 428. Já as opções master, saem por R$ 702 na alta temporada e R$ 554 na baixa. Os preços são das diárias em pacotes especiais de lua-de-mel.

No meio de tanta opção, a escolha do destino para a lua-de-mel pode ficar complicada. Tanto pelas diferentes e múltiplas opções de cidades e países como pelo preço - que varia muito e pode pesar no orçamento do novo casal. Uma boa opção para quem não quer deixar a viagem de lado são as cotas como presente.

A Terra Mundi Viagens, de São Paulo, por exemplo, oferece um serviço que funciona assim: o convidado recebe a indicação da operadora que os noivos escolheram para a viagem. A partir daí, pode entrar e adquirir uma cota, no valor que quiser, colaborando com a viagem dos sonhos escolhida pelo casal, em substituição ao presente tradicional.

Partindo de um valor mínimo, todos os itens que envolvem a viagem (passeios, jantares, diárias de hospedagem, passagem aérea, etc.) são divididos e podem ser adquiridos pela internet mesmo.

Danilo Rondinelli, diretor da Terra Mundi, sugere lugares paradisíacos como Taiti, Ilhas Maldivas, Aruba e Curaçao, República Dominicana, Grécia e Itália como destinos para os pombinhos.

[galeria]

Maristela do Valle, jornalista especializada em turismo e autora do livro "Lua-de-Mel - como planejar sua viagem" (Panda Books), tirou algumas dúvidas do Vila Dois quanto o assunto é essa viagem doce. "Para compatibilizar o gosto do noivo e da noiva, ambos devem pesquisar bastante em revistas de turismo e na Internet. Depois, devem conversar bastante entre si e, quem sabe, consultar um agente de viagens experiente, que conheça vários destinos e seja capaz de identificar aquele que mais combina com o casal dentro da sua condição financeira", indica.

Segundo ele, na lua-de-mel, diferentemente de outras viagens, uma combinação de destino e acomodação contam muito "O local escolhido é muito importante porque faz o casal se sentir realmente fora do seu mundo habitual, ao se deparar com paisagem, cultura e costumes diferentes daqueles a que está acostumado".

Para uma lua-de-mel perfeita, Maristella indica que os noivos evitem uma agenda muito carregada, capaz de atrapalhar o namoro por cansaço ou falta de tempo. "Conhecer 20 países em dez dias pode até ser um estilo de viagem interessante, mas não quando você está viajando com o ser amado e com o propósito de ter inesquecíveis momentos a dois", lembra. O ideal numa viagem de lua-de-mel é optar por no máximo dois destinos, pensando numa viagem de uma semana, por exemplo, para que dê tempo de sobra para conhecê-los como se deve (sem a sensação de que faltou algo) e ao mesmo tempo ter muito tempo aproveitar o amado.

Por último, e não menos importante, o casal deve pensar no bolso e não gastar um dinheiro que não tem com a viagem dos sonhos. Iniciar uma vida de casado com dívidas está fora de cogitação, certo?


*Os preços foram repassados pelos estabelecimentos em fevereiro e podem variar de acordo com a época.

Por Juliana Guastella (MBPress)

Comente