Ovelha Negra da Família Com Culpa e Hoje...Sem Culpa...louizemarrianne

Sempre fui rebelde à figura do pai, meu pai foi sobrevivente de campo de concentração em "Aushwitz", conseguiu reerger-se do nada...mas depois de casado com minha mãe..judia nascida no RJ, no subúrbio...assim que casou tirou de minha mãe seu maior dom o piano...era formada pelo Conservatório e trabalhava nos Correios... mesmo que submissa como esposa,( foi proibida de trabalhar depois de casada...lugar de mulher é na cozinha...)presente em todas as maneiras...na educação nossa...na alimentação de meu pai...marmitas para ele no trabalho...uma loja de tecidos e aprendi com ela o amor à Arte, comecei aos 5 anos ballet...comecei a frequentar com empregas as escolas de samba e a sambar...e...meu pai ilhado no Saara ...nunca via com bons olhos os negros...pois depois de meio ano com um companheiro...aos 17 anos ...fora do país e já mulher e companheira por seis meses me apaixonei no Brasil justo por um negro pobre, poeta, compositor, jornalista, 6 anos mais velho...e...meu pai reproduzia o opressor- oprimido...parecia as botas de Hitler sobre nós ao furor de seu ódio, quando despertavamos esse sentimento e...eu o vi...bater com a cabeça na parede e chorar como judeu ortodoxo que era"O QUE FIZ A DEUS", bem me preparei na terapia 1 ano pra esse momento e segui minha vida em frente...depois de separada desse companheiro...e meu pai morto...eu...inconscientemente...repeti o papel submisso controlador e de autonegação de minha mãe como mulher me tornando companheira de um branco, racista, reacionário...meu pai dizia pra mim antes de morrer..."você não é pra casar...é pra cuidar de sua mãe..".bem esse relacionamento acabou há muito e hoje volto-me inteira recupero a juventude que sempre esteve em mim...a criança...a mulher autêntica..amante das artes libertária pronta a ouvir ver rever cada passo hoje sem culpas...namashtê..

louizemarrianne

Comente

Assuntos relacionados: amor mãe pai jovem