O que elas odeiam neles

O que elas não aceitam neles

Homens agem de um jeito, mulheres de outro. Há inúmeras teorias e pesquisas que comprovam as diferenças entre os gêneros feitas por psicólogos, médicos, feministas e machistas. E por que ambos conseguem conviver mesmo assim? Talvez a natureza explique. Os dois têm algo em comum que é o hormônio andrógeno, responsável pelo desejo sexual.

Elas "sendo de Vênus" têm na ponta da língua críticas e comportamentos que desaprovam no sexo oposto, seja na hora da paquera ou quando o relacionamento engata. O Vila Dois abriu a polêmica das diferenças de gêneros e coloca o assunto em pauta.

Espaço aberto para a mulherada sentar no divã e colocar o que pensa sobre relações, sexo e primeiro encontro. Quem solta o verbo é a química Egle Pereira, 37. Também chamamos para esta conversa Jessica Kirsner, 29, que é empresária. E ainda Andréa Senigalia, do blog "Mulheres Odeiam", que já trocou muita figurinha sobre o assunto com as usuárias.

Durante o primeiro encontro, o que é pior: atrasar, não pagar a conta, falar sobre a ex-namorada ou não ligar no dia seguinte?

Andréa Senigalia: Com certeza falar da ex. Passado é passado e isso queima o filme no primeiro encontro, afinal, não queremos saber da finada. Por incrível que pareça aconteceu com a maioria das participantes do blog. Acreditamos que se você está em um encontro com uma mulher, você não quer ouvir sobre a ex-namorada. Se é ex, significa que está no passado e isso não nos interessa, só mostra o quanto ele ainda é ligado nela e está tentando de alguma forma esquecê-la, mesmo que para isso ele possa querer usar você.

Jessica Kirsner: No primeiro encontro tudo pode ser falado, desde que haja bom senso e equilíbrio. É nesse momento que você descobre se quer ou não algo a mais com essa pessoa. Tudo é importante, ter afinidade, um bom papo, gostar das mesmas coisas, cada detalhe importa no primeiro encontro. Lembro uma vez que sai com um amigo. Não era uma amizade muito próxima, mas já nos conhecíamos há algum tempo. Ele se interessou por mim e decidimos jantar juntos. Mas não houve química, ele ficava me olhando fixamente enquanto falava. Quando eu parava de falar, ele continuava olhando sem falar nada. Foi super chato e ainda dividimos a conta. Não me importo com isso, mas na primeira vez é importante causar uma boa impressão.

Egle Pereira: Não tenho problema em pagar ou não a conta, sou independente e não preciso de um homem para me bancar. Falar sobre ex-namorada, acho que passado todo mundo tem. Sou do tipo de mulher que se estou a fim de ligar no outro dia ou depois de 15 minutos, ligo sem problemas, não faço joguinho. Busco mostrar o que sou. Observo que as pessoas estão sempre buscando ser o par ideal para outras, e dessa forma acabam inibindo a própria personalidade, não mostram o que são por medo de não agradar. Acho que não ser transparente é o principal erro.

E depois daquela transa maravilhosa, o que você não suporta: quando ele não é carinhoso ou tem uma atitude narcisista?

Andréa Senigalia: Homem narcisista é um nojo. No blog várias mulheres comentaram situações do tipo. De caras que adoram ir para o motel e pegam os quartos que tem espelho no teto apenas para olhar a bundinha dele e ficar perguntando "o que você acha? É redonda? É durinha? Você gosta?". Homens, por favor, isso é extremamente brochante.

Egle Pereira: quando ele dorme depois da transa entendo perfeitamente. É algo fisiológico, afinal, existe uma descarga de adrenalina. Agora não ser carinhoso é o que mais me incomoda. Homens narcisistas e egoístas são os piores, porque sempre acham que tem grande performance - grande mentira.

Jessica Kirsner: Na cama tudo precisa ser gostoso para os dois. Acho que não tem limites desde que não seja algo egoísta da parte dele, e os dois se propuserem a fazer.

Com qual tipo de homem você nunca teria um relacionamento?

Egle Pereira: Eu não suporto homens arrogantes e prepotentes. Já me relacionei com uma pessoa assim, mas durou pouco. Para algumas coisas não sou do tipo mulher tolerante. Na época lidei com isso de uma forma bem simples: saindo fora quanto era tempo.

Jessica Kirsner: Acho que não dá para se aproximar de um homem quando ele é possessivo. Não tem nada mais desagradável que um homem machista e possessivo, que quer dominar e mandar em tudo. Eu dispensei na hora e nem cheguei a namorar. Tem certas coisas que é melhor nem tentar.

Andréa Senigalia: Sem dúvida o agressivo e o machista. Podemos entender que agressividade não se limita apenas à violência física, mas também a psicológica. Conheço uma pessoa que sofreu violência psicológica em uma fase conturbada no relacionamento. O homem em questão sempre se mostrou muito solícito com a companheira e, enquanto ela estava desempregada, ele dava dinheiro para ajudá-la. Até aí tudo bem, mas em uma das brigas ele jogou na cara dela que apenas a pagava por transar com ele. Em troca de sexo bem feito, ele dava dinheiro para que ela pudesse pagar suas contas. Talvez esse tipo de agressividade seja a pior que exista. Homem ciumento conseguimos contornar com uma boa conversa e sempre mostrando confiança.


Já o desligado soa quase como pleonasmo, acredito que a maioria seja assim, ele pode ser desligado com o aniversário de namoro/casamento, mas pode ser que seja um homem romântico, que lhe dá flores, carinho, cartões e presentes. Mas com o machista, a melhor forma é manter-se muito longe dele, pois esse tipo de atitude mesquinha e pensamento pequeno nunca mudará.

E vocês, Vilamigas, o que não admitem neles?

Por Juliana Lopes

Comente

Assuntos relacionados: relacionamento namoro homem machista