O amor é sim substituível!

O amor é sim substituível

Foto: Darren Kemper/Corbis

A ideia do amor romântico, perfeito e eterno, talvez, seja culpa dos contos de fada e filmes hollywoodianos que, inspirados no clássico drama de Tristão e Isolda, que por sua vez ganhou o mundo em sua versão Shakespeariana, em Romeu e Julieta, entre tantas outras histórias similares, continuam a ser o ideal de grande parte das mulheres contemporâneas que, em pleno século XXI, ainda sonham em encontrar o seu príncipe encantado.

Pois é, ainda que modernas e independentes, o fato é que achar alguém que vai te libertar de si mesma e te completar é desejo utópico entre ‘10 em cada 10’ pessoas. Afinal, se libertar de uma ideia que está tão arraigada em nossa cultura não é fácil, mas, entenda: para construir uma relação a dois é preciso deixar de lado os ideias românticos cultivados com anos de leitura, cinema e música para enxergar novamente a realidade.

Esqueça a sedutora ideia da metade da laranja e deixe de lado a fantasia lisérgica que só é possível se completar no outro. Ok, o seu namorado é um fofo, transa como ninguém, te dá atenção quando precisa, é super compreensivo, sem falar que dormir de conchinha e estar no abraço dele é a melhor coisa do mundo. Tudo bem, isso tudo é uma delícia, mas calma lá. Será que ele é o único e insubstituível?

Desculpem Vilamigas, com certeza não! Se pararmos para pensar são muitos os príncipes que estão por aí e, pasmem, muitas vezes eles ainda podem vir com um benefício extra, um bônus. O seu amado passa hora te escutando, no entanto, aquele carinha do departamento ao lado pode, além de te escutar durante horas a fio, falar a coisa certa sempre que precisar. Pois é, na vida, nada é constante e tudo possui um fluxo irrefreável. Então, nada de desespero.

Se o namoro não está mais tão legal e, apesar das incontáveis tentativas, a felicidade não é mais tão cor-de-rosa como no início, nada de investir em uma relação furada. Permita-se ao novo. Encarar a vida de forma solitária não é fácil, mas a dependência no outro, querendo ou não, é extremamente fantasiosa. E tem mais, não basear a sua em uma metade apenas te dá a oportunidade de experimentar várias outras partes e, quem sabe, até mesmo encontrar aquele alguém que não quer te completar, mas te acompanhar.

Por Paula Perdiz

Comente