Mulheres correm mais risco dentro de casa do que fora

Violência doméstica

Foto - Shutterstock

Durante o Women's Forum Brazil 2014, que aconteceu entre os dias 26 e 27 de maio, em São Paulo, o enfoque foi a liderança da mulher como forma de economia estável e próspera. Porém, para Carlos Eduardo Zuma, um dos fundadores do Instituto Noos, especializado na dissolução pacífica de conflitos familiares, isso só pode acontecer se a mulher se libertar da violência doméstica.

O fundador afirmou durante o evento que "no Brasil, é nove vezes mais perigoso para uma mulher estar dentro de casa do que fora". A conclusão foi realizada através de dados de uma pesquisa sobre violência contra a mulher, feita no fim de 2013 pelo Instituto Avon em parceria com o Data Popular.

Os números são surpreendentes e assustadores. A pesquisa mostrou que cerca de 41% dos brasileiros conhecem um homem que já foi violento com alguma parceira e 56% dos homens admitem ter cometido alguma atitude que seja titulada de violência. E se você acha que isso só acontece com classes menos valorizas se engana. Entre os homens da classe alta, esse número chega aos 59%.

Embora a mulher já tenha conquistado seu espaço em diversas áreas, o machismo ainda prevalece em diversas instâncias. O relatório ainda mostrou que 85% dos homens acham inaceitável uma mulher bêbada, 69% não concordam que elas saiam com os amigos sem os maridos e 46% acreditam que as mulheres não deveriam usar roupas decotadas.

No evento também esteve presente Jacira de Melo, uma das fundadoras do grupo SOS Mulheres. Lá, ela defendeu a denúncia como forma de quebra de atos violentos e criticou a estrutura para que a mulher violentada denuncie seus agressores.


Por Kelly Jamal

Comente