Mulher também foge do casamento?

Mulher moderna sofre de misogamia

Entrar pelo corredor principal de uma igreja vestida de branco e carregando um buquê é o sonho de toda mulher. Será? Há sim aquelas que dormem e acordam dispostas a laçar seu príncipe encantado. E há também as que têm paúra dessa ideia - uma situação que recebe até nome: misogamia.

Segundo a terapeuta de casais Laila Pincelli, de modo geral, a misogamia costuma atingir mais o público masculino. "Porém, atualmente, o número de mulheres que escapam do casamento, em função do novo papel que elas assumem na sociedade".

É normal que parte do público feminino evite a troca de alianças com receio de cair nos moldes de casamento adotados pelas velhas tias e avós: o homem fica responsável pela parte financeira e a mulher se vê obrigada a deixar o trabalho de lado para se dedicar ao marido, à casa e aos filhos. É fato também que um número grande de mulheres nos últimos anos abandonou o emprego para assumir uma família, mas nem todas estão dispostas a incluir o papel de mulher/mãe no seu dia a dia. "As mais independentes, já estabelecidas financeira e emocionalmente, temem perder a autonomia e liberdade conquistada", ratifica a terapeuta.

Problemas familiares e o tipo de personalidade da mulher podem contribuir para o surgimento da misogamia. E quem passou por relacionamentos anteriores insatisfatórios também pode desenvolver algum tipo de aversão ao casamento. "Ninguém é obrigado a querer se casar. No entanto, se esta questão está relacionada a questões emocionais mal resolvidas, no futuro tal decisão pode acarretar sofrimento e frustrações", alerta Laila.

E para quem se considera misogâmica, mas tem interesse em virar o jogo, Laila afirma que a solução é encontrar um terapeuta. "O tratamento pode auxiliar esta mulher a se compreender melhor, a rever sua história de relacionamentos e a elaborar possíveis causas de tal aversão".


Quem conquistou a independência - bom emprego, casa, carro - antes de conhecer o príncipe encantado, pode até sentir aquele friozinho na barriga quando o assunto é casamento, por conta do medo de ter que renunciar a alguma parte da vida para dizer o "sim". Mas antes de "fechar a porta" para esta oportunidade almejada por tantas - ou poucas mulheres - procure analisar os prós e contras de dividir sua história com alguém. Certas conquistas, principalmente as materiais, passam. E um amor, quando bem alicerçado, pode durar por tempo indeterminado.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente