Movimento dos Sem Namorado

Movimento dos Sem Namorado

Foto: Guilherme Bessa.

As vitrines estão cheias de corações. Os restaurantes, cheios de promoção para casais. Quando 12 de junho se aproxima, boa parte da população se planeja para passar o dia cheio de romantismo. Mas cerca de 70 milhões de solteiros - com mais de 18 anos, conforme dados do IBGE - sofrem com a ode ao amor, sozinhos! Numa tentativa de unir essa multidão, e quem sabe fazer com que eles se unam em pares, surgiu já no ano passado o divertido "Movimento dos Sem Namorado".

Os organizadores garantem que o movimento não celebra a solteirice e, sim, abre uma nova janela de oportunidades para que pessoas de mesmo interesse se conheçam. A ação mais importante do "MSN" são as passeatas, que acontecem no Rio de Janeiro e em São Paulo, semanas antes do Dia dos Namorados. Como resultado dos encontros, no ano passado, entre os 3,5 mil participantes, 53 casais se formaram e muitos outros provavelmente engataram uma relação. Esse ano são esperados 6 mil participantes nas duas capitais. E quem quiser montar uma passeata parecida na sua cidade pode pegar dicas num manual que o site oficial do evento publicou.

Tanto o movimento quanto a passeata são organizados pelo site de relacionamentos "ParPerfeito". E de lá saem a maioria dos participantes da passeata. A pedagoga Rosimeire Reis, de 40 anos, é uma delas. Tem perfil no site, já arrumou namorado via Internet e vai feliz e sozinha na passeata, em São Paulo. "Quero conhecer pessoas. Não estou com a intenção de arrumar um namorado, mas se acontecer, melhor ainda", fala animada.

Mesmo adepta das redes, acha que o contato é essencial para qualquer relação. Por isso gostou tanto da ideia da passeata. "No computador, é tudo muito virtual. É preciso olho no olho, conhecer, ver que a pessoa existe". Segundo ela, que já foi casada e é mãe de uma menina de 13 anos, hoje está mais complicado de se relacionar porque as pessoas não querem investir. "Todo mundo só quer o superficial", lamenta.

Aline Fátima de Oliveira Monteiro, de 30 anos, do Rio de Janeiro, concorda com Rosimeire. Ela também vai à passeata, com um grupo de amigas, e está animada com o que pode encontrar por lá. Também tem perfil no "ParPerfeito" e, o último namorado, conheceu por lá. A estudante de nutrição acha que a falta de tempo é a principal razão para que as pessoas não se encontrem. "E na balada é complicado, ninguém quer nada sério. Por isso a Internet é uma boa opção pra mim", afirma. "Estou muito feliz, em muitos aspectos da minha vida. Mas falta uma pessoa pra compartilhar, sinto falta de dividir as coisas".

E é para tentar resolver dilemas como os de Rosi e Aline que Claudio Gandelman idealizou o Movimento dos Sem Namorados. "As pessoas hoje começam a trabalhar mais cedo, tem menos tempo para investir numa relação. Como não conseguem se encontrar, usam o computador para agilizar", explica ele. "A Internet tem ajudo muito as pessoas. Com os sites de relacionamento onde é possível fazer busca por afinidade, fica muito mais fácil encontrar alguém com perfil desejado".

[galeria]


A passeata vai acontecer em lugares públicos, no Parque Ibirapuera (SP) dia 29, e na Praia de Copacabana (RJ), dia 30, para que as pessoas possam "protestar" nas ruas e quem sabe, se conhecer. Mas para Claudio, é uma excelente oportunidade para que os solteiros percebam que não estão sozinhos. Mesmo.

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente