Maria blogueira/twitteira?

Mariablogueiratwitteira

Foto: Reprodução rainberry.tumblr.com

No universo do Rock n’ Roll encontramos as groupies, garotas que acompanham e seguem o trabalho de algumas bandas, mas mais do que isso, elas namoram, beijam e fazem de tudo para se relacionar com o artista, que geralmente é bonito, famoso e (muito) rico!

Relacionando essa idéia ao nosso querido mundo paralelo da internet nos deparamos com essas mesmas características, apenas por uma pequena diferença: no cenário cibernético os roqueiros famosos e ricos são blogueiros, muitas vezes anônimos e sem fortuna alguma.

Então o que esse rock n’roll eletrônico tem que reúne cada vez mais adeptos? O que encanta as meninas do outro lado da tela a ponto de despertar seu lado groupie e ir atrás do meninodoblog.com?

O palco que abriga blogs e twitters aumenta cada vez mais, não tem como negar. E com isso os avatares tomam corpo e se tornam celebridades virtuais. Os textos e crônicas são motivos para que o teclado alheio vibre ao ler as ideias e brincadeiras que explodem a cada ‘5 minutes ago’.

De acordo com Bia Granja (http://twitter.com/biagranja ), curadora do site youpix, "os blogueiros tem visibilidade, ganham dinheiro (post pago, campanhas, ad sense), tem acesso às coisas mais legais que rolam em termos de cultura, pois são convidados para tudo, enfim, a gente vive em uma época exacerbada de glamourização da webfama e todos querem fazer parte disso".

Assim, esses gênios conquistam diariamente meninas que fazem de tudo para uma aproximação pessoal, apenas pelo elevado número de seguidores (twitter) ou visitas e comentários (blogs). Vale lembrar a diferença entre uma fã, que realmente acompanha o artista porque reconhece e se identifica com seu trabalho e uma ‘maria blogueira/twitteira’, que apenas está interessada no status do rapaz.

Apesar de o termo ‘maria-blogueira’ não ser novo, é pouco discutido. E para esclarecer e destrinchar melhor sobre esse assunto conversamos com um grupo de blogueiros e twitteiros famosos na websfera e blogueiras também! Entre muitas risadas e revelações concluímos e definimos melhor esse novo estereótipo feminino.

Será que existem meninas dispostas a seguir loucamente um blogueiro? Meninas que correm atrás de fama e status na internet?

@Gravz (Fernando Gouveia), criador do #lingerieday comenta: "Não acho que realmente existam as marias-blogueiras, pode surgir atração ou interesse, mas duvido que alguma garota se aproxime de um blogueiro atrás de status". Já o @vyktorb (Vyktor Berriel) afirma com todas as letras: "Existe sim, tá cheio por aí, essas meninas pegam carona na popularidade dos twitteiros e blogueiros".

Cid, o blogueiro fofíssimo que gerencia o @naosalvo, nos contou uma história que explica bem tudo isso: "Uma amiga minha, muito bonita, beijou um cara famoso cinco minutos depois de ter dito que ele era feio, e ainda fez questão de ligar para mãe dela e contar".

Isso só confirma nossas especulações sobre a necessidade da massagem no ego que certas meninas buscam. Vale lembrar que apesar de estarmos falando apenas das ‘marias’ isso não excluí os ‘joãos’ que, com certeza, também estão perambulando pela rede, como revela @gravz: "Eu acho essa uma visão machista. Assim como existem mulheres, também existem homens que se aproximam dos outros por interesse."

Cid e Caio Diniz, dono do twitter e blog @complexogeek, explicam também outro adjetivo usado nesse caso: "São as ‘marias-pageranks’, ligadas aos caras de blogs de grande audiência, é igual àquele clichê das meninas que querem pegar o cara popular da escola". O blogueiro @leoluz (Leo Luz) assina embaixo e acrescenta: "São garotas que buscam uma fama distorcida através do relacionamento com um blogueiro, nesse caso a beleza fica de lado e a fama fala mais alto".

Pelo que vimos, são caçadoras de uma popularidade muitas vezes inconsistente, já que blogueiros são celebridades de um mundo imaterial. Mas parece que os meninos não se importam nem um pouco com esse assédio: "Eu acho ótimo, não tenho nenhuma reclamação", brinca Cid, que é mega perseguido pelas ‘marias’. "Porque são elas que vão clicar no banner, na publicidade, vender dinheiro e que eu tenho que responder com mais atenção", esclarece o blogueiro em uma visão, como ele mesmo disse, mais fria. Caio também concorda: "O blogueiro ama ter seu trabalho reconhecido, disso a gente não reclama não".

As blogueiras, que muitas vezes são confundidas com as ‘marias-blogueiras’, dão sua opinião: "Uma coisa não tem nada a ver com a outra", explica @nataliamaximo Natalia Máximo. E vai mais além: "Esse tipo de associação não faz sentido algum, conheço várias meninas que têm blogs e, pelo que me recordo, nenhuma delas têm relacionamento com blogueiros, mas quem sou eu pra julgar? Cada um faz o que deixa feliz". "Acho que deve estar faltando curso técnico de manicure ou mesmo de marcenaria para essas meninas", opina a blogueira @camilla_l (Camilla Lopes) com seu humor ácido.

Sobre os relacionamentos possíveis entre as groupies cibernéticas e os blogueiros a resposta é unânime: todos (os homens) são a favor. "Se ficar claro que há sexo por interesse, não vejo problema, desde que a "vítima" não seja vítima e saiba aproveitar a situação", confessa @gravz.

Além de Cid que já deu sua opinião positiva sobre o caso, Leo também aprova: "Um cara bonito se aproveita da sua beleza, um cara inteligente se aproveita da sua inteligência, um blogueiro se aproveita dessa fama relativa com as mulheres". Já Vyktor deixa bem claro: "Vai do desespero de cada um".

Caio e Cid entram em acordo e brincam: "As únicas pessoas que podem se incomodar são nossas namoradas". Apenas Camilla vai contra: "Eu acho deselegante o homem que dá condição a tudo que é mulher apenas porque ela está disponível. Esse homem não serve para mim, me desinteressa ao critério zero".


Tudo isso serviu para enxergarmos mais claramente as relações sociais da atualidade. As necessidades modernas mudaram, mas não tem como afirmar que a busca pela fama é algo novo, que não é. O que mudou foi o cenário. Sempre existirão pessoas correndo atrás de suas ambições, mas como disse Natalia: "Quem sou eu para julgar?". Cada um aproveita o que é do seu interesse e oferece o que está ao seu alcance. Enquanto isso vamos escrevendo e twittando e esperar que os sentimentos verdadeiros algum dia tomem conta total dos replys e comentários.

Por Alessandra Vespa (MBPress)

Comente