Fobia do casamento

Fobia de casamento

Foto Photostock/ http://migre.me/82kUF

Ter fobia de alguma coisa significa ter medo. E o medo é uma sensação que na maioria dos casos é incontrolável. As pessoas em geral, tanto mulheres quanto homens, têm medo de diversas coisas. Pode ser medo de barata, de uma situação de perigo, pode ser medo de perder quem se ama, de perder o emprego, mas também pode ser medo de casamento.

E você pode se perguntar o porquê. Já que há tantas pessoas apostam tudo num casamento, e fazem de sua vida a busca daquele alguém com quem finalmente será capaz de apostar tudo, e inclusive, contrair matrimônio. E de repente, aí, nesse momento, a síndrome de Noiva em Fuga bate e você só pensa em largar tudo e sumir.

Qualquer pessoa pode ter esse sentimento antes de dar um passo desses, mas esse medo do qual estamos falando aqui, vai além. A sociedade ainda cobra, principalmente das mulheres, certas atitudes em série: crescer, ser linda, bem sucedida, grande mulher, esposa e mãe. E, então, avaliar, todas nós sabemos que nada na vida de ninguém consegue seguir planos perfeitos. As coisas não costumam ser tão certinhas assim.

O casamento é uma loteria, uma aposta, um estilo de vida, digamos, e que exige dedicação e disponibilidade. A questão de se pensar sobre o fato de ser bom ou ruim, é algo que nos levará a um labirinto sem fim de argumentos dos prós e contras. A questão é porque alguns têm verdadeira fobia desse estado civil?

Bem, o casamento significa, erroneamente, uma espécie de prisão para alguns, um ambiente de prestação de contas, limitações e obrigações. Há também, o peso que gera no relacionamento, pensamentos como "estamos casados, agora é sério", ou, que a fantasia termina depois da festa de casamento.

Esse suposto peso, essa chatice, esse relacionamento quadradinho é que deixa tanta gente com medo de entrar nessa, ainda mais porque as opiniões dos amigos e familiares em volta também conta. E quantas pessoas você Vilamiga conhece que apóia totalmente a atitude de contrair matrimônio?

Não importa o grau de envolvimento, o que importa é a vontade que essa pessoa que está contigo, te dá de estar, e no caso, até de casar. O casamento deve ser encarado como é, apenas uma oficialização, uma pequena transição, ela acontece dentro de algo que já existe, o amor de duas pessoas. É só isso, talvez por isso, esteja sendo muito valorizado a ponto de causar medo, pense nisso.

Por Giseli Miliozi

Comente