Falta de comunicação entre casais

Falta de comunicação entre casais

Você mora com o seu namorado. Certo dia, ele chega em casa, diz que está cansado e só quer saber de assistir ao futebol na TV. Irritada, você vai para o seu quarto. A primeira vista você acha que ele não está mais afim de você. Calma, nem sempre. Pense que ela está sendo sincero, prefere ficar sozinho, mas, claro, ainda te ama.

A pisicóloga Leniza Castello Branco, membro da Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica (SBPA), lembra que muitas vezes o contrário também acontece: homens ou mulheres não deixam claro os seus sentimentos. A boca diz uma coisa, mas o comportamento e os gestos expressam outra, totalmente diferente.

Ela lembra um exemplo corriqueiro bastante comum. Como as mulheres gostam de conversar mais, geralmente perguntam como foi o dia de trabalho quando o seu companheiro chega em casa, entretanto, o marido entende que ela está o perseguindo, querendo controlar a sua vida, quando na verdade apenas quer puxar assunto. "Cada um tem os seus complexos e neuroses e isso pode prejudicar em muito as relações, pois muitas pessoas já criam conceitos pré-estabelecidos".

A situação da mensagem dúbia também complica os relacionamentos, isso quando acontece um desacordo entre o que a pessoa diz e a expressão facial". Imagine a mesma situação do marido chegando em casa, mas ele não está mais satisfeito com a relação. "Percebendo o distanciamento, ela pergunta se ele ainda o ama. Seu comportamento diz que não o ama mais, mas suas palavras dizem que sim". Isso a deixa confusa, até desconfiada, assim os dois ficam ainda mais distantes. Para a psicóloga seria melhor que os dois fossem sinceros, se cada um revelasse o seu ponto de vista, abrissem o coração e falassem porque não há elogios, talvez entenderiam que isso faz parte de um relacionamento, cheio de altos e baixos.

Conforme o psicoterapeuta Alberto Lima, autor de "Alma - Gênero e grau", se a conversa sincera não acontece, o cotidiano fica cada vez mais chato, e um mais longe do outro. "Tornou-se óbvio que é necessário discutir os conflitos crescentes entre homens e mulheres contemporâneos. É preferível que o conflito seja colocado sobre a mesa e abordado com responsabilidade, com respeito, abertura e gentileza", diz.


Mesmo porque, segundo Leniza, muitos casais brigam sem um motivo aparente, que não existem. "É preciso controlar a agressividade e não ficar apenas jogando a culpa no outro. Guardar as suas insatisfações e transferi-las nas brigas". O que é pequeno hoje e não resolvido no momento vira uma bola de neve. "Na mitologia grega, Harmonia é filha de Ares e Afrodite, ou seja, nasceu do encontro entre o deus da guerra e a deusa do amor e da beleza. Não é possível alcançar a harmonia sem que se explicite um conflito e sem que se cuide de abordá-lo amorosamente", finaliza Lima.

Por Juliana Lopes

Comente