Dicas para começar o casamento com o pé direito

[img=1]

No início do relacionamento detalhes podem fazer toda diferença. Quando essas minúcias se referem ao comportamento são ainda mais importantes. Então o que se pode fazer para começar um casamento com o pé direito?

Pouco tempo antes de oficializar a união é comum bater certo nervosismo. Para estar tranquila na hora de dizer "sim" é legal relaxar. "Ir ao salão de beleza, fazer as unhas, hidratar o cabelo, fazer uma esfoliação nos pés, até mesmo uma massagem relaxante pode ser o suficiente", indica a cerimonialista, Milene Szaikowski. "Mas lembre-se: evite cortes e pinturas radicais no cabelo para não se arrepender no dia do casamento ter dificuldades para escolher o penteado", completa.

Depois de algum tempo de casados é importante manter alguns hábitos. "Quando entramos em uma relação, costumamos nos fundir um ao outro, mas a individualidade é importante", afirma Doutora Karen Camargo, psicóloga especialista em terapia comportamental pela Universidade de São Paulo. Neste caso é bom não deixar de ir àquele almoço com as amigas e liberar o moço para o futebol com a galera.

Com essas atitudes você consegue manter uma relação saudável. A especialista recomenda: "Se não puder manter os costumes de solteira, substitua-os por outros mais adequados, mas é bom que cultive algo".

Segundo Karen Camargo, um dos maiores impasses no relacionamento é a desarmonia de pensamento. "O mais difícil é o desrespeito e valores diferentes. Por exemplo, quando só um do casal quer constituir família, juntar dinheiro ou divergência em relação às crenças religiosas".

Para minimizar as chances de algo sair errado logo no princípio da relação, o diálogo é imprescindível. Karen garante que a coisa mais importante é deixar claro, um para o outro, quais são os seus valores, pois dentro deles há esperanças. "A maioria dos casais que eu atendo são pessoas frustradas, que têm expectativas em relação ao outro que não se concretizam", ressalta a psicóloga.


Se não estiver satisfeita com algo, fale. Não abra mão do diálogo, mas saiba escolher o melhor momento. "Tudo depende da forma como se diz. É importante falar no instante em que sentiu vontade. No entanto, se estiver com muita raiva é melhor aguardar um pouco, até que o sentimento passe", recomenda a especialista. Somente uma conversa tranquila vai dar o resultado desejado.

Lembre-se de que todo mundo tem hábitos que podem irritar o outro. Porém, são coisas praticadas há anos e não são feitas para lhe atingir. "As pessoas que se unem precisam ter consciência de que também têm manias. Caso elas não interferiram nos valores, é importante viver com isso", diz Karen Camargo. "Lembre-se que nem a gente mesmo é do jeito que gostaríamos", finaliza a psicóloga.

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente