Detetive particular revela infidelidades

Detetive particular revela infidelidades

Foto: divulgação

Parece coisa de novela, filme, minissérie da Globo, mas impossível negar que a vontade de descobrir uma verdade nunca colocou na cabeça da gente a ideia de contar com ajuda profissional. O trabalho de detetives particulares, principalmente no que tange às traições, nada tem de glamour ou ficcional. Lida, na realidade, com as fraquezas e desejos das pessoas. E, na maioria das vezes, revela exatamente aquilo que ninguém quer descobrir.

A desconfiança, principalmente em relações amorosas, faz parte de um comportamento normal do ser humano, inseguro por natureza. Mas aquele que não consegue conter a dúvida pode contratar profissionais como Esther Jardim, há 20 anos dedicada a solucionar casos de traição - começou investigando um namorado, depois os namorados das amigas. Ela acaba de lançar o livro "Infidelidades Reveladas" e, na obra, relata diversos casos (autorizados, é claro) com personagem inclusive da grande mídia, como artistas e políticos. E tem de tudo: gente rica, com grau de escolaridade alto, que trai numa festa, pela internet ou até tem relacionamento extraconjugal bissexual.

Mas, muito mais do que apenas contar essas histórias, Esther fornece informações úteis sobre infidelidade e dá dicas de como descobrir uma traição. "A mulher é sempre a mais discreta, mas como nenhum crime é perfeito, apenas mal calculado, nenhuma traição é difícil de descobrir", garante. "Os homens geralmente são mais levados à emoção e se deixam envolver com mais facilidade, o que facilita também a resolução do adultério". Ausência de carinho ou sexo, happy hour constantes, viagens, celular desligado, roupas e perfumes novos também podem denotar traição.

Detetive particular revela infidelidades

Esther Jardim. Foto: divulgação

A detetive que investiga de 3 a 5 casos por semana escreve ainda sobre os principais motivos que levam o parceiro a procurar diversão fora de casa. "Os homens traem por insatisfação sexual, por auto-afirmação ou simplesmente pura vaidade. Ele foi educado, em nossa sociedade, para ser o 'macho pegador'. Não deixa escapar nenhuma mulher que lhe dê um sorriso mais maroto ou uma rebolada mais sensual", afirma Esther. "Já o motivo para a traição feminina é muito variado. Na maioria dos casos é por vingança mesmo. Às vezes, insatisfação sexual. Em outras situações, pelo simples desejo de conhecer um homem diferente que as façam chegar ao orgasmo mais gostoso e cheio de tesão".

Além de revelar os motivos que levam à traição e como reconhecê-la, a obra ensina também como desmascarar as traições, bem como aprender a analisar as reações quando descoberto o adultério. Esther afirma que toda infidelidade, de certa maneira, a surpreende. Segundo ela, o ser humano é dotado de uma enorme criatividade ao trair. Mas há aqueles casos em que a desconfiança não passa de fantasia. "Aí tenho que expor a realidade tal qual se apresenta. Aconselho a pessoa a procurar ajuda para superar uma suspeita que não existe, sob risco de destruir a relação de fato".


Esther, que acaba "vivendo" da infidelidade alheia, disse ao Vila Dois que não é hipócrita em afirmar que as traições não paguem as suas contas. Pagam, é claro. Assim, prefere não condenar a infidelidade e jura, não se envolve com os casos que investiga. "Cada um deve terminar primeiro a relação que não está sendo satisfatória e, depois partir para outro relacionamento", opina. Mas, mesmo com tanta experiência, ela diz que não conseguiu ainda perceber um padrão de traição. "As pessoas fazem da forma que lhes convém no momento. Atualmente, tanto os homens quanto as mulheres têm contratado muito os meus serviços, mas posso dizer que as mulheres ainda são maioria. São mais desconfiadas, querem ver para crer".

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente