Como você se comportaria diante de uma traição?

Como você se comportaria diante de uma traição

Naomi Watts durante as gravação do filme "Diana", que vai revelar detalhes da vida da princesa. Foto reprodução

Essa pergunta é complexa e demanda uma grande reflexão. Há os que dizem que reagir a uma traição é como reagir a um assalto - ninguém sabe o quer fazer. E há os casos em que as mulheres preferiram agir com classe e manter a imagem de finas.

Dois casos famosos de mulheres que suportaram traições públicas e notórias foram o da princesa Diana e a primeira dama americana Hillary Clinton. As duas se mantiveram ao lado dos seus maridos pelo menos por um tempo, após os escândalos e fofocas publicadas em diversos tablóides.

Tentar se inspirar nessas mulheres até pode ser interessante, mas, e você, mulher real, sem imagem pública para zelar, como agiria? Tem ideia?

No caso delas, foram anos de traição, ou uma daquelas mancadas sem perdão, como a de Bill Clinton. Mas e se fosse você que descobrisse algo do seu par? Importa se aconteceu apenas uma vez ou dez? Diplomacia num momento desses é realmente difícil. Porém, nem sempre vale a pena cometer loucuras, já que a pessoa estava envolvida com outro alguém e mentia.

A traição é um erro como tantos outros dentro de um relacionamento. O que conta é como cada pessoa os vê e sente. O ato de trair pode ser um termômetro de que algum problema está sendo resolvido do lado de fora, enquanto precisava ser discutido entre duas pessoas.

Por outro lado, a traição pode ser covardia, ou vontade de variar. Usamos a palavra covardia porque trair pode ser mais fácil do que encontrar um jeito de resolver os problemas do relacionamento, mesmo que para isso seja necessário se separar.

Se o caso for apenas vontade de variar, então, há dois caminhos: conversar com o(a) parceiro(a) e decidir se ficam juntos e encontram o seu jeito de se relacionar, ou se o melhor mesmo é ficar solteira (a).

Por Giseli Miliozi

Comente