Ciúme via rede social

Ciúme via rede social

Desde que o Orkut ganhou o Brasil, muitas relações se fortaleceram. Foi possível encontrar velhos amigos e até ex-namorados, conhecer pessoas de gostos comuns e mandar recados sem censura. E aí, nessa liberdade, o ciúme ganhou novo aliado. E as redes sociais criaram um novo tipo de possessividade, onde é possível invadir a vida do outro quase sem pedir licença. No próprio Orkut há uma infinidade de comunidades falando do tema. As mais populares somam juntas mais de 80 mil usuários.

O ciúme todo que Orkut, Facebook, MySpace e afins causam virou tema de pesquisa, publicada na revista especializada "CyberPsychology & Behaviour". Segundo Amy Muyise, da Universidade de Ghelph, no Canadá, uma das autoras do estudo, esse tipo de página pode aumentar os fatores que geram crises de ciúmes. Jura? Amy afirma que os sites de relacionamento não tornam as pessoas mais ciumentas, mas criam mais situações em que esse sentimento pode aparecer.

Mariana Falcão que o diga. E lamenta hoje ao confirmar que o Orkut foi o vilão do término do namoro, de quase 2 anos. "Eu era muito amiga do ex-namorado. E meu atual, na época, não entendia. Eu tentei explicar muitas vezes que os recados eram inocentes e cheguei até pedir para meu ex não postar mais nada", lembra. Mesmo assim, o namoro não vingou. "Eu me sentia perseguida, morria de preocupação se aparecesse um amigo novo ou algum recado. O Edu surtava. E eu resolvi terminar", conta. Mesmo ela garantindo que as desconfianças não tinham cabimento, o ciumento não parava. E era mesmo viciado no Orkut da namorada. "Ele acessava mais do que eu. Me ligava para reclamar de recados, fotos, comentários. Era infernal".

O grande problema é que fotos e comentários postados são normalmente lidos fora de contexto e, claro, dão margem à interpretação errada. A própria vigilância que esse tipo de site também permite pode estremecer relacionamentos. "Eu não tinha liberdade, não podia fazer uma legenda engraçada nem postar uma foto mais legal. Desisti da conta do Facebook para não perder o namorado", lembra Amanda Scorri. Ela e o namorado fizeram um acordo - e os dois fecharam suas contas. "Eu também vigiava, cobrava. A gente estava vivendo uma briga atrás da outra por causa do Orkut e Facebook. Preferimos continuar o namoro só no ambiente real", conta.


O estudo feito no Canadá descreve como o ciclo vicioso do uso dessas redes alimenta o ciúme. "A pesquisa com jovens universitários pode ser um excelente ponto de partida para descobrir como novos fóruns desse tipo podem impactar na dinâmica dos relacionamentos adultos e outros processos sociais", finaliza Brenda K. Wiederhold, editora da "CyberPsychology & Behavior". Quem já sofreu com os ciúmes gerados por causa deles sabe bem que impactos são esses...

Tem alguma história sobre esse assunto? Comente.

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente