Caso Bruno pode mudar leis brasileiras para violência doméstica