Casei com um Padre

Uma terça-feira de outubro de 1980 ia dirigindo o meu Fiat vermelho para o trabalho ouvindo uma música que não me recordo agora, quando de repente senti uma batida no fundo do meu possante. Saí do carro aborrecida e louca pra xingar o culpado quando me deparei com um padre.Gente!!! Engoli todos os palavrões que estava para soltar. Ele olhou pra mim, pro meu carro, disse que não me preocupasse que iria ficar tudo bem. Fiquei super tranqüila, pois um padre jamais iria me enganar. Cheguei atrasada no trabalho e claro, tive que me justificar com meu chefe. Mas ele é um cara tranqüilo e não houve problema.Bom, no dia seguinte o padre me ligou e começamos a resolver as questões da batida. Como meu carro iria ficar parado por uma semana para os reparos, ele se ofereceu para me levar ao trabalho pela manhã e no final do expediente me levar para casa, pois moro afastada da cidade do Rio de Janeiro. Eu aceitei claro. Se não aceitasse teria que pegar o primeiro transporte as 5:15 da manhã.Íamos conversando muito, sobre assuntos variados. Ele era um homem viajado, culto, estudado e mais velho que eu 20 anos. Um dia, quando cheguei em casa percebi que estava me apaixonando por ele. Entrei em desespero. Não consegui dormir direito essa noite. No dia seguinte ele percebeu que eu estava um pouco estranha, calada e desconfiada. Me perguntou o que estava acontecendo, se eu estava preocupada com a demora do carro, falei que não, pois já era quinta-feira e no sábado eu já teria o meu carrinho de volta.Pra minha aflição, o carro não ficou pronto e o chapista me pediu mais 3 dias úteis. Meninas... Juro por deus, entrei em pânico. Passei o final de semana sem comer direito, chorando, perguntando a Deus porque isso estava acontecendo logo comigo. Na segunda-feira, ele me viu abatida e perguntou o que estava acontecendo, mas uma vez falei que não era nada. Ele disse que precisávamos conversar. E quando eu menos esperava, ele falou que tinha se apaixonado por mim e que largaria o sacerdócio pra se casar comigo se eu quisesse. Chorava sem parar, de alegria e tristeza ao mesmo tempo. Falei que o meu sentimento era de amor por ele também, mas que minha família jamais aceitaria essa união.Foram meses de muito sofrimento, questionamento, medo do julgamento das pessoas, emagreci 8 kg e perdi meu emprego. Um ano após aquela conversa, nos casamos, ele trabalha como professor, eu vendo iguarias que faço em casa, nosso filho Pablo é um homem de quase 30 anos e somos muito felizes.

Comente