Casamento na corda bamba

Casamento na corda bamba

Não é preciso ser gênio para descobrir quando o casamento deixa de ser uma animação colorida para virar uma foto em preto e branco esquecida na estante.

Mas alguns sinais ajudam os casais a perceber que há algo errado no ar e que a paixão e o amor, por alguma razão, deram lugar à indiferença. Silmar Coelho, que corre o mundo palestrando sobre qualidade de vida, relacionamento e conquistas, lista os quatro principais fatores que indicam uma crise iminente no casamento: ausência de diálogo e silêncio, constantes discussões, cobrança e apontamento de erros e desprazer sexual.

O grande problema, segundo ele, é que a maioria dos brasileiros não sabe conversar sem agredir. "O casamento que sobrevive à crise é aquele que não briga um com o outro, mas agride o problema. A família perfeita não é aquela que não tem problemas, mas aquela que aprende a resolvê-los", pondera. Uma sugestão dele é resolver os problemas no momento em que eles acontecem, para que não se acumulem e virem uma barreia intransponível. "Opte por caminhos que não abram espaço para a mágoa", completa Silmar.

Ele lembra que, no passado, as pessoas casavam para ficarem casados, não havia a possibilidade de divórcio - e os casais procuravam solucionar os problemas. "Hoje, com o divórcio, a maioria casa para descasar na primeira dificuldade. Por isso, as pessoas não tentam resolver. Procurar a solução e mudar dá trabalho, a maioria está cansada demais para tentar", lamenta. Segundo ele, o casamento acaba por causa da teimosia em fazer as coisas do mesmo jeito e não mudar o rumo. "Não podemos fazer sempre a mesma coisa e esperar resultado diferente", indica.


Mas Silmar, que também é terapeuta de casais, acredita que uma crise no casamento pode ser benéfica. "Ela avisa que algo está errado e que o rumo precisa ser corrigido. Quem dá atenção aos sinais e corrige a trajetória, viverá feliz", garante.

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente