Casamento colaborativo

Uma amiga me manda uma notícia sobre casamentos colaborativos. Não, não se trata daquele tipo de evento a americana onde cada um colabora levando um prato ou contribuindo com um tipo de serviço. Embora esta não deixe de ser também uma maneira preciosa de “colaborar”...

Essa nova modalidade de casamento é decorrente de dois fatores: as redes sociais e a chegada de quem as usa ao altar. Aí ocorre o seguinte: antes mesmo de contribuir de fato para a festa, o que acontece é que os convidados se envolvem muito antes com os planos e decisões que dizem respeito ao casamento em questão.

Como assim? Dando sua opinião, palpitando e ajudando a pesquisar e escolher que pratos servir, que banda é a melhor para tocar, qual vai ser a primeira música que os noivos vão dançar, que tipo de cerimônia fazer, que tipo de traje sugerir....

Aí, sempre em rede, as sugestões são levadas a votação em sites montados pelos noivos para que os preparativos do grande dia sejam acompanhados passo-a-passo por toda uma comunidade de amigos, familiares e, claro, interessados e bisbilhoteiros de plantão.

“Que maravilha” você deve estar pensando “antigamente não havia essa facilidade para compartilhar tudo, agora é muito mais fácil a comunicação, podemos tomar decisões muito mais rápido”...

Pode até ser. Há quem diga que esse tipo de fenômeno ocorre porque hoje, os jovens casais a beira do altar fazem parte da geração web, acostumada a partilhar minuto a minuto os mínimos detalhes de sua vida e ter resposta imediata dos amigos acerca de praticamente tudo.

Como tudo na vida, também isso tem seu lado B. Claro. Se por um lado é muito bom compartilhar esse passo-a-passo de todas as decisões e momentos importantes da vida, por outro cria-se uma dependência real: a maior parte dos jovens que conheço se sente manca e mesmo aleijada se não puder conhecer instantaneamente a reação dê seus amigos quanto a esse ou aquele acontecimento. E ficam na maior ansiedade, quando não insegurança mesmo, se por acaso estiverem privados de se comunicar online e imediatamente...

Está surgindo uma geração que tem problemas reais para experimentar suas idéias, ousar realizar seus desejos reais (que aliás, nem mesmo sabem quais são pois não estão acostumados a pensar e decidir individualmente).

Na verdade é um processo de super exposição ao qual estão acostumados que nem mesmo os deixa perceber as vantagens da privacidade - conceito para lá de vago para eles. Acham natural, por exemplo fazer o making off do dia do casamento.

Mas vamos dar um passo atrás e falar das decisões sobre o grande dia: se o casamento é um momento importante, um marco na vida das pessoas, será que não é o caso de continuar a deixar que as decisões sobre orçamento, estilo de festa e de vida (pois refletem no estilo de vida futura) a cargo apenas dos dois principais interessados - os noivos?

Que conversem que troquem idéias, que discutam e argumentem que se conheçam melhor ainda - ainda mais em um momento de dar um passo importante como esse. Privacidade neste caso é um luxo. Mas que, infelizmente essa nova geração desconhece até por falta de vivência e proximidade da mesma. E também, porque tanto se martelou em suas cabecinhas desde muito cedo que a web só pode trazer soluções que não pode lhes ocorrer que nem sempre é assim.

Mas é preciso questionar sim e experimentar o modo antigo de resolver as coisas e tomar decisões. Aquele baseado no que desejamos ou no que criamos de novo e não apenas copiando o que já existe e jogando na rede para medir a quantidade de votos.

Se Leonardo da Vinci ou Santos Dumont tivessem jogado em uma votação em rede o passo-a-passo de suas idéias para as geniais invenções que acabaram por mudar os rumos da história, provavelmente teriam desistido ante a opinião da maioria medíocre de que aquilo era uma loucura e jamais daria certo.

Jornalista, escritora e palestrante, Claudia Matarazzo é autora de vários livros sobre etiqueta e comportamento: “Visual, uma questão pessoal”, “Negócios Negócios - Etiqueta faz parte”, “Amante Elegante - Um Guia de Etiqueta a Dois”, "Casamento sem Frescura", "net.com.classe", "Beleza 10", "Case e Arrase - um guia para seu grande dia", "Gafe não é Pecado" e "Etiqueta sem Frescura"

Comente