Briga e respeito

Briga e respeito

Sabe aquele pé de guerra que você trava com o amado sempre que alguma coisa dá errado? Até para ele existem boas maneiras a serem seguidas - no intuito de preservar a saúde mental (e às vezes física) dos envolvidos. E claro, não dar um balde de água congelada na relação.

Para não transformar o que já está ruim num pesadelo ainda pior é preciso manter uma espécie de "etiqueta da discussão". A dica da psicóloga e psicanalista Cida Lessa é que o casal, mesmo de cabeça quente, fique atento para o respeito. "É preciso também focar no motivo daquela discussão - e não sair se lembrando de coisas do passado que já deveriam ter sido resolvidas", sugere.

Essa generalização da discussão pode levar a agressões de todo tipo, desde comentários que a gente nem sempre gostaria de dizer até uma violência física completamente desnecessária. "As pessoas perdem a noção do perigo quando estão nervosas, brigando. É preciso tentar manter a calma, mesmo numa discussão calorosa". Se a cena ficar mesmo feia e você perceber que a solução não está próxima, melhor ‘adiar’ a briga para o momento certo, quando a discussão puder ser feita baseada no respeito.

Outra sugestão da psicóloga é que os envolvidos mantenham a consciência de que a briga não nasceu à toa. "Sempre há uma atitude que desencadeia a confusão", lembra. E às vezes ela nasceu com você.

E quando a briga fica pública, num restaurante ou bar? Nada de gritos e choros na frente dos outros. "A briga pesada sempre acaba por ridicularizar o outro. E ninguém tem o direito de fazer isso na frente de desconhecidos ou até amigos", diz Cida. É nessa hora que ela lembra bem de uma coisinha que muitos casais esquecem quase sempre. "As nossas expectativas e decepções são problemas nossos - e não de quem não consegue cumprir o que desejamos. Nesse caso, a terapia ajuda muito a definir os papéis de cada um numa relação".

A parte difícil disso tudo é racionalizar, mesmo na hora da briga. Mas essa atitude pode salvar o relacionamento, melhorando aquilo que parece sem solução. O essencial é evitar a missão impossível de tentar mudar o outro. E nunca promoter aquilo que não se pode cumprir, apenas para apaziguar a situação. "Cobranças e promessas não combinam com brigas e podem gerar ainda mais confusão", ensina Cida. "E não esqueça que é preciso ouvir (e escutar mesmo) o que o outro tem a dizer".


No contrato não assinado que você mantém com a pessoa amada às vezes não estão incluídas cláusulas para colocar regra na hora da discussão. Mas tanto nessas - que precisam sim ser criadas - quanto em todas as outras que você aceita quase que naturalmente - é preciso sempre manter uma condição: o respeito. Ao outro, e a si mesma.

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente