Briga de casal - você sempre dá o braço a torcer?

Você sempre dá o braço a torcer

Jose Luis Pelaez Inc/Blend Images/Corbis

O sonho de toda menina é encontrar o príncipe encantado. Aquele homem perfeito que além de namorado é amigo, compreensível, proporciona inúmeros momentos de felicidade, lhe apoia nas situações difíceis e nunca briga com você. Pena que na vida real não é bem assim...

Não existe casal perfeito e muito menos sem brigas. No desenrolar da relação as diferenças surgem e, consequentemente, os desentendimentos. E eles são ainda piores quando apenas a mulher sempre dá o braço a torcer nessas horas. E agora, o que fazer?

Para o psicólogo Thiago de Almeida, especialista no tratamento das dificuldades do relacionamento amoroso e autor do livro "Arte da paquera - inspirações a realização afetiva", isso ocorre pelo fato de a mulher, em determinados momentos, sentir que tem mais razão do que o homem e, quando ele não corresponde, cria uma simetria de que o parceiro está sempre ganhando e ela está sempre perdendo.

"As mulheres querem solucionar tudo, pois elas já têm tudo resolvido na cabeça delas. Mas nem sempre o parceiro está resolvido com aquela situação ou opinião. É importante que ele esteja também", diz o psicólogo. "As brigas se arrastarão durante um longo período enquanto ambas as partes não tomarem uma atitude para solucionar", completa.

Dessa forma, a imparcialidade deve ser evitada dentro do relacionamento para criar um clima harmonioso nos diálogos. "As decisões precisam ser tomadas em conjunto. Mas, ela precisa respeitar a opinião dele e ele a da parceira", afirma Almeida. De acordo com ele, muitos homens preferem o silêncio na relação, pois possuem um repertório menor do que o da mulher e se sentem desconfortáveis para opinar.

Outro fator que inibe o homem é quando a mulher usa críticas para atingi-lo. "Use as queixas para falar sobre algo que não esteja agradando. Se em todo diálogo você criticar seu companheiro, ele se desmotivará ao seu lado e caminhará para um relacionamento no qual se sinta mais confortável", informa o especialista.

E se no momento do diálogo os ânimos dos dois estão alterados o melhor a fazer é esperar uma oportunidade em que estejam prontos para uma conversa centrada e equilibrada. "Deixe passar uns 20 minutos para recorrer às estratégias de apaziguação na união. Nesse intervalo, o cortisol - substância ligada às emoções - sairá do estado de alerta e a pessoa se sentirá mais calma", explica Thiago.


De acordo com Thiago de Almeida se as discussões se tornarem constantes e o parceiro sempre adotar uma postura de nunca ceder, o melhor a fazer é analisar se a relação está mesmo valendo a pena. "Às vezes a pessoa está perdendo a oportunidade de estar ao lado de alguém que a valorize. Tente perceber se o seu parceiro lhe dá algum bom motivo que a faça permanecer com ele", orientou.

Por Stefane Braga (MBPress)

Comente