Aventuras de um casal em alto mar

Sozinhos no mar

Foto/divulgação

Você teria coragem de largar tudo, vida profissional, o conforto da sua casa, a companhia dos seus amigos e familiares para viver sozinha no mar? Pode parecer estranha a proposta, mas foi o que fez o jovem casal Márcio e Daniela Nunciaroni. Eles abandonaram tudo para tornar concreto o projeto "Velejando com Deus", no intuito de amparar pessoas carentes de vilarejos, onde a acessibilidade só é possível através do mar.

A ideia do projeto surgiu na lua-de-mel do casal. Enquanto velejavam e comemoravam o momento tão especial, Marcio e a esposa pensaram que podiam levar amor às pessoas necessitadas. "Usamos a arte, o esporte e a recreação para dizer às pessoas que vivem tão isoladas que existe algo maior, o amor. Quando percebemos que existe escassez de alimentos ou qualquer outra coisa, sempre providenciamos", conta Daniela.

A aventureira relata que, de fato, o casal largou todas as coisas que os mantinham presos na cidade para levar amor e esperança às pessoas que moram em lugares de difícil acessibilidade. "No inicio, tentamos conciliar com nossas atividades na cidade, mas foi ficando impossível, até o momento em que decidimos viver somente para o que acreditamos que fomos chamados", diz ela.

Daniela desabafa que passou por muitos obstáculos, principalmente no período em que descobriu que estava grávida, mas não desistiu. "As coisas mudaram de rumo e tivemos que nos adaptar a essa nova realidade", afirma. Ela também relatou que realizar as viagens com o Gabriel (filho do casal) é a maior dificuldade: "Sempre o levo conosco e quando ele fica doentinho, dificulta muito, como estamos distantes conto com a ajuda de uma pediatra que sempre fica online de prontidão".

Como o bebê ainda é muito novinho, demora em torno de quatro a cinco dias para ele se adaptarem a cada local. "Agora mesmo estamos em Barbados, uma ilha que o idioma principal é o inglês. Ele sempre fica um pouco agitado, mas após o período de adaptação ele volta ao normal", explica Daniela. Segundo ela, o filho já entendeu que em cada momento estará num lugar diferente.

Mas, não foram apenas essas as dificuldades do jovem casal. Assim que anunciaram para os familiares que pretendiam viver no mar, ninguém foi a favor. "Não fomos compreendidos, falaram que estávamos loucos e até que iriam colocar a polícia atrás de nós, caso o Gabriel ficasse doente. Como se criança não adoecesse, dispara Daniela. E acrescenta: "Atualmente não concordam, mas já aceitam".

Sozinhos no mar

Foto/divulgação

Ela também descreve que a vida e o relacionamento do casal mudaram totalmente. "Não tínhamos mais rotina. Foi muito difícil, mas com o passar do tempo, nos adaptamos com o estilo de vida que optamos", narra a aventureira, afirmando que o relacionamento do casal é baseado em muito diálogo e respeito: "Fazemos tudo juntos, digo que somos como um time, um depende do outro. Começamos a dar mais valor às coisas simples da vida que antes a correria não nos deixava perceber."


Da experiência no mar nasceu uma nova ideia: a de registrar as histórias em um livro para dividir com as pessoas as situações vivenciadas no mar. Surgiu então o primeiro livro, "Velejando com Deus", no qual Márcio relata os caminhos que o casal fez por mais de 5.000 milhas pela costa brasileira, 70 cidades e vilarejos carentes em 11 estados. "Essa iniciativa foi do meu marido. Ele sempre registra as viagens em um diário de bordo que acabou virando um livro", informa Daniela.

E o casal não parou. Veio o segundo livro, "Soltando as Amarras", no qual os dois contam as dificuldades que passaram, como veio a decisão de mudar de vida e todas as indagações que o casal viveu para largar tudo e viver das ações sociais. Para saber mais informações sobre os livros acesse o site www.livrarianautica.com.br.

Por Stefane Braga (MBPress)

Comente