Amor de Pelúcia

Amor de Pelúcia

Nas segundas, ela toma um chá com o Sleepy, a Mamãe-Coelho e a Zebra. Batem um papo, leem um gibi e vão dormir.

Como nas terças de manhã a professora chama aleatoriamente um aluno para responder a tabuada na frente de todo mundo, a Girafa é convocada para dividir o travesseiro e as angústias da noite de segunda-feira.

E assim vai a semana toda.

Especialmente nas sextas-feiras, ela sai para jantar com os pais e irmãozinho. Como chega em casa mais tarde que o usual, dorme com o Banana Split (não preciso explicar que se trata de um macaco, né?), que assim como ela, gosta de dormir até mais tarde no sábado.

Duas lições que uma babá não remunerada e sem carteira assinada leva pra casa:

1) Desde criança, sempre há um método mais prazeroso de viver o dia a dia. A noite de segunda para terça pode ser a melhor da semana. Afinal, é também o dia de bater um papo-cabeça abraçadinha com a Girafa.

2) Desde muito nova, ela sabe que a lei da compensação é a mais lógica do ser humano. Se você tem prova de matemática na terça, na segunda-feira à noite a Girafa torna tudo mais confortável. Pode dormir tranquila. Na sexta tem mousse de chocolate.

Encontrar esse equilíbrio é talvez o maior desafio. Ser feliz e infeliz. Soma, não eliminatória. Não escolher por um sentimento em detrimento de outro, sabe? Estabelecer um pacto de coexistência e não agressão entre eles, e aceitar que a vida talvez seja feita disso.

leia também


Mas até que ponto a gente tem a capacidade de não deixar o lado infeliz tomar conta da gente? Qual é nosso limite para manter essa conciliação? E quantas vezes deixamos que os desapontamentos dos nossos relacionamentos se sobreponham às alegrias de tantos outros aspectos e pessoas das nossas vidas?

Fica a lição de casa.

Marianna Greca é publicitária e nerd assumida. Social Media, webwriter, tradutora e desenhista compulsiva. Tão louca por Internet quanto pela Ilíada. Acredita que assumir a maternidade do mundo é o melhor caminho para a felicidade.

Comente