A difícil escolha dos padrinhos de casamento

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
A difícil escolha dos padrinhos de casamento

Quando o casal decide que é hora de trocar as alianças, uma série de tarefas começa a fazer parte do dia a dia dos noivos. Definir a data do casamento, local da cerimônia e da recepção, trajes, alianças, decoração, fotografia...

Parece que a lista de obrigações não tem fim. Mas outra parte muito importante dos preparativos é a escolha dos padrinhos. Essas pessoas que dividirão o altar com os noivos precisam ser definidas com calma e sabedoria, uma vez que farão parte da vida do novo casal não somente no grande dia, mas também no cotidiano.

A consultora de eventos sociais e especialista em casamentos, Rose Ogata, garante que a escolha dos padrinhos de casamento é algo muito pessoal. Entretanto, lembra que o critério não deve ser econômico e sim afetivo: "Essas pessoas devem ser definidas por amizade e não simplesmente para ganhar bons presentes. Cada padrinho vai homenagear os noivos dentro de suas posses", conta. "Por este motivo não é correto pedir presentes ou dinheiro a eles. Espere que os casais escolhidos tomem a iniciativa de perguntar como pode contribuir", completa.

Segundo Rose o ideal é que se convidem dois ou três casais de padrinhos por noivo. E ao contrário do que se pensa, a presença de parentes no altar não é obrigatória. "A família já terá seu papel de importância neste evento. Além disso, existe o fato de que se o noivo levar um primo e deixar o outro, pode haver uma saia justa, provocando até mágoas entre os entes queridos", ressalta.

A consultora aproveita para esclarecer uma dúvida relacionada à etiqueta: às vezes, os noivos querem convidar um amigo, cuja parceira é desconhecida ou sem vínculo com eles. Neste caso, não há problemas em chamar somente o amigo. "Não existe nada que obrigue os noivos a convidarem um casal. A mulher pode ser chamada também somente se for grande amiga deles. Isso porque a duração do relacionamento deste padrinho não é garantida. Imagine se depois os noivos perderem o contato com essa madrinha?", lembra.

Em caso de emergência - padrinho ou madrinha não comparecer ou não chegar a tempo da cerimônia -, o melhor é chamar pessoas da própria família, como irmãos, primos e tios, pois, neste caso, haverá uma compreensão maior da situação.

O convite para os padrinhos deve ser feito com pelo menos seis meses de antecedência. E é essencial que os noivos conversem com os escolhidos pessoalmente, a menos que eles morem em outro país ou estado. "Se possível, o casal deve também entregar convites diferenciados para essas pessoas, de preferência em embalagens especiais, como, por exemplo, dentro de caixas acompanhadas de amêndoas ou outro tipo de mimo", diz Rose. "As lembrancinhas dadas no dia do casamento não devem ser as mesmas distribuídas aos demais convidados".


Escolher os padrinhos para um dos dias mais importantes na vida de um casal não é tarefa fácil. Afinal de contas, essas pessoas passarão terão um papel fundamental na vida dos noivos, ajudando nos preparativos e acompanhando de perto o desenrolar do novo casal. "Por isso, o importante na escolha é, como já dito, o fator da afetividade. Padrinhos devem ser convidados não só para partilhar esse momento incrível e inesquecível, mas sim vivê-lo no cotidiano, dando apoio e suporte. São companheiros para toda a vida", finaliza Rose.

Por Juliana Falcão (MBPress)

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente