Mulheres magras demais podem ter dificuldade para engravidar

Mulheres com dificuldade para engravidar

A luta para exibir um corpo exageradamente magro e entrar nos moldes da ditadura da beleza pode prejudicar e muito a vida de mulheres que recorrem aos processos de fertilização para realizarem o sonho da maternidade.

Isso porque, segundo pesquisa realizada pelo Centro Avançado de Fertilidade de Chicago, as mulheres muito magras, com Índice de Massa Corporal (IMC) entre 14 e 18, apresentam mais dificuldade para engravidar. Foram analisadas 2.500 sessões de fertilização in vitro por um período de oito anos.

As pacientes analisadas foram divididas em três grupos: muito magra, normal e obesa. Cinquenta por cento das mulheres normais engravidaram sem grandes dificuldades. O mesmo aconteceu com 45% das obesas. Porém, apenas 34% das pacientes consideradas muito magras conseguiram engravidar.

Em entrevista ao site do jornal "Daily Mail", o especialista em fertilidade Richard Sherbahn, também responsável pelo estudo, disse que as mulheres muito magras apresentam dificuldade para engravidar porque a falta de massa corporal influencia na produção de estrogênio, hormônio fabricado pelas células adiposas.

Quem concorda com essa tese é Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi, ginecologista, obstetra, especialista em medicina reprodutiva e diretor do Centro de reprodução humana do Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia (IPGO). "Todo excesso é ruim. Uma mulher obesa, por exemplo, produz mais estrogênio do que o necessário, o que interfere no ciclo menstrual, na ovulação e, consequentemente, no processo de fertilização. Já as magras demais inibem a produção de estrogênio. Há mulheres muito magras, entre elas algumas atletas, que nem chegam a menstruar", diz.


Sherbahn ressaltou também que um IMC inadequado pode comprometer a fixação do óvulo na parede do útero, outro obstáculo para a fertilização. Dr. Arnaldo Schizzi volta a concordar e explica: "O endométrio é uma película que reveste a parede do útero e a qualidade dessa mesma película depende dos níveis hormonais. Com a falta ou excesso de gordura, o estrogênio não se distribui de maneira regular, formando um endométrio inadequado e dificultando assim a fixação do óvulo."

Analisando a pesquisa, o diretor do IPGO dá algumas orientações às futuras mamães: "Para aumentar as chances de sucesso, a mulher deve manter seu IMC entre 20 e 25 e ter uma dieta balanceada com carboidratos e proteínas."

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente