Estresse pode diminuir chances de engravidar

Estresse pode diminuir chances de engravidar

Um estudo realizado pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, e publicado na revista científica Fertility and Sterility, comprovou que altos níveis de estresse podem reduzir em 12% as chances de concepção.

A pesquisa monitorou 274 mulheres saudáveis, com idades entre 18 e 40 anos, que tentavam engravidar. Por meio da saliva, foram medidos dois hormônios vinculados ao estresse, a adrenalina e o cortisol. As participantes que apresentaram os índices maiores de alfa-amilase, proteína que pode medir os índices de adrenalina, compuseram o grupo que virá a mais dificuldades para engravidar.

Segundo Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi, diretor do IPGO - Instituto Paulista de Ginecologia, Obstetrícia e Medicina da Reprodução, esse estresse está associado ao intenso desejo de engravidar. "O casal que quer muito um filho e tenta realizar o processo várias vezes sem sucesso, alimenta uma frustração. Dessa forma, podemos dizer que a vontade leva a um estresse, por conta da dificuldade de concepção", explica.

O especialista conta ainda que há relatos de casais que fazem o tratamento, desistem e depois de estarem relaxados ou conformados, engravidam naturalmente. "Eles acabem tendo menos facilidade para conceber por conta do peso emocional que este tratamento proporciona".

Virando o jogo

Dr. Arnaldo sugere que a mulher que sonha em engravidar deva começar a focar sua mente em outros setores da vida para, dessa forma, relaxar e tornar o processo de concepção mais natural. "A saída é transferir a angústia para outro problema".

Flora Victoria, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Coaching, explica que três fatores são responsáveis pelo estresse: o primeiro se deve à falta de capacidade lidar com o novo. Depois vem a carga de adrenalina que geramos quando precisamos tomar decisões rápidas. E por último, vem a preocupação constante com a autoimagem, uma vez que a mulher que deseja engravidar passa a se preocupar com a opinião dos outros em relação ela - se ela vai engordar e se as pessoas ainda vão gostar dela, por exemplo.

"Para amenizar o peso dessas situações a mulher deve buscar o equilíbrio para reduzir a adrenalina e o cortizol, elementos responsáveis pelo estresse. Portanto, comece a realizar atividades capazes de produzir serotonina (o hormônio da felicidade) e endorfina. Assista a uma comédia, faça exercícios físicos, namore, enfim, busque ações que promovem o bem-estar", explica a Flora Victória, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Coaching.


A especialista indica ainda a prática da respiração diafragmática. Muita gente pode não acreditar, mas inspirando e expirando suavemente nos ajuda a mandar para o cérebro a mensagem de que está tudo bem. "Com isso, o cérebro gera um sinal de calma e controle", afirma.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente