Endometriose: uma doença silenciosa

Endometriose uma doença silenciosa

Foto/Divulgação Tv Globo

Você já ouviu a expressão: "A vida imita a arte, a arte imita a vida"? Certamente, sim. A atual novela das nove da rede Globo, "Insensato Coração", traz um tema pouco debatido. Carol Miranda, personagem vivida por Camila Pitanga, sofre de endometriose, por isso acredita que não é capaz de engravidar. Mas para a surpresa da personagem e dos telespectadores, a moça está grávida.

Endometriose é a presença de tecido endométrico (mucosa que reveste a parede o útero), em situações atípicas. Normalmente, o endométrio é eliminado na menstruação. Acontece que este tecido pode entupir a tuba uterina impedindo que o óvulo chegue até o espermatozóide. Além disso, alguns fatores hormonais podem interferir. O principal sintoma é cólica menstrual, que em casos mais avançados se tornam comuns mesmo fora do período menstrual, Pode haver também sangramento intestinal e na urina.

Na maioria dos casos o diagnóstico é tardio. "Em média, a mulher tem 32 anos quando é feito o diagnóstico da doença. Em 44% dos casos passaram-se cinco anos ou mais até a doença ser diagnosticada", afirma Joji Ueno, doutor em ginecologia pela Universidade de São Paulo e diretor da Clínica GERA. "De 40% a 50% das adolescentes que apresentam cólica incapacitante, quer dizer, dor intensa que requer repouso e as impede de exercer as atividades normais, podem apresentar endometriose sem saber", completa.

Segundo o Dr. Joji Ueno, a confirmação da doença só pode ser realizada por meio de biópsia ou cirurgia: "A laparoscopia é o método mais utilizado para diagnóstico e tratamento dessa doença. Com este procedimento conseguimos ressecar os focos existentes no tecido que reveste a cavidade abdominal e outros mais profundos localizados nos intestinos. A cirurgia aberta é também uma alternativa para remover as lesões", elucida o médico.


A endometriose não é uma patologia genética, embora possa atingir várias mulheres de uma mesma família. "É uma doença mais comum em mulheres que demoram a engravidar. Quanto mais menstruação a mulher tiver, mais propensa ela estará à doença", revela o ginecologista. Não são todas as pessoas que sofrem deste mal que não conseguem ser mães. Segundo o Dr. Ueno, a população infecunda é maior entre a faixa que sofre de endometriose. Além disso, a gravidade da doença não tem relação de poder engravidar ou não, há sim algumas exceções.

O diretor da clinica ressalta: "Este é um mal que atinge mulheres durante todo o período fértil e mesmo com a cirurgia pode haver reincidência, mas pode levar anos para reaparecer". Por esse motivo é importante realizar consultas regularmente.

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente