Conheça o plano de parto

Conheça o plano de parto

Todas as mulheres gostam de ter controle sobre o que acontece em torno de suas vidas. Imagina então no nascimento de seu bebê? A gestante deseja participar das escolhas, tirar as dúvidas e ficar plenamente consciente de tudo o que vai ocorrer. Até um tempo atrás isso era parcialmente possível, já que na hora do parto muitas das decisões ficavam à mercê dos médicos.

Hoje em dia, com o plano de parto, todas as preferências da futura mamãe são atendidas. Você ainda não sabe o que é este procedimento? Com a ajuda do médico obstetra Alberto Guimarães, vamos contar tudo sobre ele!

Sobre sua definição, o especialista explica: "É um parâmetro construído entre a gestante e o obstetra e busca possibilidades e escolhas sobre o que pode ou não acontecer durante o parto. Antes a grávida não sabia de nada, agora tem a escolha". Para quem nunca viu um documento destes, está disponível no site da Ana Maria Braga um genérico das principais escolhas que a gestante pode participar. Clique aqui para ver!

Vemos uma série de itens, que tempos atrás a paciente não tinha influência alguma e que hoje já pode decidir. Por exemplo, escolher se quer ou não medicamentos para amenizar a dor ou se gostaria que alguém filmasse ou fotografasse o momento. "É uma maneira de se olhar a gestação mais cuidadosamente e dar à gestante o direito de participar ativamente como protagonista no ato do nascimento de seu filho", afirma Alberto.

Fazer este documento é gratuito, porém não são todos os hospitais que o oferecem. De acordo com o obstetra, a palavra "documento" pode assustar um pouco, mas não passa de uma conversa mais detalhada. Os médicos que não dispõem do papel com as múltiplas escolhas conversam profundamente com suas pacientes, uma outra forma de definir como gostaria que fosse a chegada do neném.

As escolhas são remanejáveis, então, por exemplo: uma mulher que preferiu não utilizar anestesia, mas na hora H decide que está com muita dor e deseja o medicamento, mesmo que no plano de parto não esteja esta escolha, ela pode mudar. O doutor deixa bem claro: "É um momento e uma vontade íntima da pessoa, não é do hospital nem da enfermeira, então nada mais certo do que a mãe escolher os procedimentos e fazer parte disso".


Se formos analisar, não existe ponto negativo. A gestante só tem a ganhar com o plano de parto, e como vimos, mesmo se mudar de idéia na hora do parto, ela pode trocar sua preferência. Desta forma, Dr. Alberto conclui: "Acho que com isso o momento voltou a ser mais humano, mais especial. Apenas devolvemos às mamães os direitos que elas sempre tiveram e quando elas percebem que sua vontade será respeitada ficam bem mais tranquilas".

Por Alessandra Vespa (MBPress)

Comente