Yoga para gestantes e "casais grávidos"

Yoga para gestantes e casais grávidos

Meditação, autoconhecimento, técnicas de respiração... esses e outros termos se tornaram conhecidos - e comuns - há alguns anos, com a popularização dos cursos de yoga. Agora, uma instrutora promete inovar com aulas preparadas para um público muito especial: as grávidas e seus parceiros.

"O yoga ajuda tanto física quanto mentalmente, tanto a mãe, ou mesmo o casal e o bebê", acredita Adriana Vieira. Ela explica que existem dois tipos de aulas para serem realizadas durante a gravidez: o yoga pré-natal - somente para a gestante - e o curso para "casais grávidos".

No yoga pré-natal, a instrutora trabalha técnicas de respiração, com o objetivo de acalmar a mãe e ajudar a soltar o ar, e a expelir, ato necessário para a hora do parto. "Também praticamos posturas que nos trazem força e coragem. Outras que ajudam a fortalecer a musculatura que utilizamos na hora do parto, como períneo e pernas, e a coluna que deve ser fortalecida sempre, pois com o aumento do peso durante a gestação, a coluna pode receber uma carga excessiva e vir a ter problemas", explica Adriana.

Já nas aulas para "casais grávidos", a futura mamãe e o futuro papai aprendem posturas para que pratiquem juntos, desde a gravidez até a hora do trabalho de parto. "Algumas são restauradoras, proporcionando ao casal um momento de comunhão e cumplicidade, nesse momento de 'gerar'. O 'olho no olho' é muito importante e reservar um período para que ambos curtam juntos a gestação", diz a instrutora.

Os casais também são ensinados a respirar juntos. Alguns exercícios respiratórios serão usados apenas na hora do parto, porém o homem pode aprendê-los para ajudar a parceira a ficar mais sossegada.

"Assim, durante as contrações as respirações devem ser para acalmar, e trazer força e energia novamente, e durante as contrações devem ser fortes para ajudar o bebê a 'encontrar seu caminho'", afirma Adriana. "Os companheiros aprendem durante o curso também como ajudá-las a massagear corretamente, aliviar dores lombares e ciáticas e a fornecer suporte físico e emocional para esse período", completa.

Durante a gravidez, a mulher costuma olhar mais para si mesma e para seu corpo, ela se conhece melhor observando as mudanças que ocorrem a cada dia. O yoga se propõe a ensiná-la a aceitar essas mudanças com amor.

Além disso, a instrutora afirma que o bebê pode se beneficiar com as atividades propostas nas aulas. "É comprovado cientificamente que os bebês sentem as sensações da mãe. Quando ela pratica yoga ela deve aprender a respirar longa e profundamente. Essa respiração acalma todo o sistema nervoso central, fazendo com que ela sinta-se mais relaxada. Dessa maneira, o bebê também vai sentir essas boas sensações provocadas."

Outro benefício é a diminuição do tempo do parto, por meio da conscientização física e psicológica da mãe. "A mulher que pratica yoga pré-natal sabe mais sobre seu corpo e como sua mente e pensamentos funcionam. Ela poderá ajudar ativamente na hora do parto", fala Adriana.

Existem três diferenças entre os cursos que envolvem alunas gestantes e as aulas convencionais de yoga: o esforço muscular, a respiração e os torções.

O cuidado com o esforço muscular existe porque, nos primeiros três meses da gravidez, o óvulo fecundado está se fixando na parede do útero para que o processo da gravidez continue ocorrendo. "Então, não é aconselhável que a mulher faça uso extremo de sua força muscular! Quando ela exagera demais, os vasos sanguíneos se contraem e o sangue tem mais dificuldade de levar o oxigênio ao feto", afirma a professora.

Em segundo lugar, as gestantes não devem reter o ar durante os pranayamas (exercícios de controle da respiração), e sim apenas alongar a inspiração e também a expiração. Por último - mas não menos importante -, elas não devem abusar das torções laterais e jamais fazer exercícios em decúbito ventral (deitada de bruços)

"Eu costumo ainda enfatizar um quarto ponto para as não praticantes antes da gestação, ou seja, pra quem começou a fazer yoga já grávida: não devem fazer posturas invertidas, pois quem nunca praticou irá acabar forçando a área abdominal, e ao invés de se beneficiar, poderá acarretar risco para ambos: mãe e bebê", acrescenta a instrutora.

No YogaPré-Natal, as posturas a serem realizadas do início até o final da gravidez são:

1- Equilíbrio;

2- Fortalecimento do assoalho pélvico e períneo

3- Alongamento e fortalecimento da lombar

4- Alongamento lateral

5- Respirações (para ampliar a caixa torácica e facilitar).


O curso para "casais grávidos" acontece uma vez por mês, na cidade de Santos, na grande São Paulo. Para conhecer melhor as aulas, basta acessar www.namaskaryoga.com.br.

Por Priscilla Nery (MBPress)

Comente