Teste de gravidez - Saber ou não saber o sexo, eis a questão...

Saber ou não saber eis a questão

Divulgação

Gisele Bündchen já decidiu. Não quer saber o sexo do bebê e vai esperar pela surpresa, no dia do parto. Ela está grávida de seis meses do primeiro filho, fruto da relação com o americano Tom Brady, e está segurando a ansiedade.

Mas a maioria dos pais não é tão paciente como o casal Bündchen-Brady. E quer saber, o quanto antes, se é um menino ou uma menina que vai mudar a vida deles para sempre. O método tradicional para descobrir o sexo do bebê é por meio de ultrassonografia, que pode ser feita a partir da 15ª semana. Outra opção é fazer a chamada "sexagem fetal", a partir de exame no sangue da mãe. Essa técnica identifica a existência ou não do cromossomo Y, responsável pela determinação do sexo masculino. Esse exame pode ser feito a partir da 8ª semana de gestação e a taxa de acerto chega a 99,9 % a partir da 11ª semana.

"Eu sempre achei que saber o sexo do bebê antes de nascer uma bobagem. A emoção dos meus dois primeiros partos foi diferente, porque tinha a surpresa e só pensava na saúde deles. Apenas do terceiro quis saber e fiz ultrassom no 4º mês. A diferença foi poder planejar melhor o quartinho e comprar as roupinhas", conta Mariana Ribas, de 32 anos.

O método novo para desvendar a grande surpresa, aqui no Brasil, é caseiro. O teste "IntelliGender", que a empresa "Cimed" disponibiliza desde junho deste ano nas farmácias de todo o Brasil, permite que as mães saibam sem sair de casa qual o sexo do esperado bebê. Por meio da urina, esse teste de caixinha identifica uma combinação de hormônios e descobre se vem menina ou menino. Esse teste tem mais de 90% de taxa de acerto e o resultado aparece em 10 minutos.

Uma das grandes diferenças entre esse teste e a utrassonografia, que oferece a tecnologia de diagnóstico por imagem, está relacionada ao fator tempo. "Com o ‘Intelligender Menino ou Menina’, a mamãe já consegue identificar o sexo do bebê a partir da 10ª semana de gestação, de forma, prática, simples e no conforto da sua casa", explica Ane de Souza, analista de produtos da "Cimed". O teste de caixinha custa em média R$ 290 (enquanto uma ultrassom simples, particular, pode ser encontrada por menos da metade do preço).


O produto está disponível nos Estados Unidos e na Europa desde 2007. Será que Gisele vai mesmo resistir? Mais informações sobre o teste em casa podem ser encontradas no site www.descubraosexodobebe.com.br.

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente