Pele na gravidez

Pele na gravidez

Bebê crescendo saudável na barriga e mãe em plenas condições de saúde, em uma gestação isso é o que mais importa. Ao mesmo tempo em que o pequeno se desenvolve no útero, o corpo da futura mamãe passa por uma série de transformações, principalmente na pele. Aos poucos surgem acnes, manchas, celulite e estrias.

Os responsáveis por isso são os hormônios. Flávia Addor, dermatologista e diretora da Regional de São Paulo da Sociedade Brasileira de Dermatologia, explica que o aumento deles, principalmente da progesterona, influencia na melanina (pigmentação da pele) e a na síntese de colágeno (distensão da pele).

No caso das estrias, ao contrário do que muita gente imagina o óleo de amêndoas ou outros óleos hidratantes não são eficientes para a prevenção, conforme o dermatologista Adilson Costa, Mestre em Dermatologia pela Escola Paulista de Medicina (UNIFESP) e chefe do Ambulatório de Dermatologia Estética, Acne e Dermatologia da Gestante da PUC-Campinas.

"Não há relatos de que os óleos hidratantes protegem contra o aparecimento das estrias.

Mas existem alguns cremes hidratantes disponibilizados em pontos de vendas que, segundo os testes clínicos realizados em gestantes pelas empresas que os comercializam, parecem ajudar na prevenção. Eu nunca indico se aventurar em fórmulas milagrosas. É importante sempre conversar com o seu dermatologista para ter o melhor tratamento".

Os tratamentos convencionais são usados apenas após a mulher voltar a sua fase normal. "E de preferência fora do período da amamentação", acrescenta Addor. Para os edemas, mais característicos nessa fase, a drenagem linfática é permitida.

Quando se trata de manchas, os melasmas são os grandes vilões, principalmente em mulheres mais morenas ou que se expõe muito ao sol. Para a prevenção, os profissionais indicam sempre o uso do protetor solar "com fator de proteção maior ou igual a 15, retocado a cada duas horas". Entretanto, conforme a dermatologista, o uso do protetor é válido, mas não atua 100% devido ao componente genético. "O uso de clareadores ou procedimentos como o peeling somente devem ser realizados após o parto, salvo em casos específicos ou a critério médico", informa.

Costa, também autor do livro Dermatologia e Gravidez, específico para profissionais da área, compartilha a mesma opinião. "Durante a gestação, preferimos não tratar o melasma, já que quase 70% dos casos voltam após um ano do parto. No entanto, se o quadro for muito intenso, a paciente deverá solicitar a um profissional que indicará o produto correto e seguro para uso", diz

Na fase da gestação, algumas mulheres também ficam com a pele mais seca. Neste caso, a recomendação são os hidratantes específicos para elas, sem uréia. E durante os banhos dar preferência para água morna para fria, sem usar muito sabonete.

Muitas grávidas também se deparam com as restrições aos cosméticos. Grande parte delas fica em dúvida quando observam os rótulos. Conforme o dermatologista está liberado: fotoprotetores, hidratantes corporais (sem uréia), maquiagem (com exceção dos batons ricos em chumbo), esmaltes (com exceção dos que têm ftalatos e etil metacrilato) e xampus.


A recomendação é sempre verificar se o produto é específico para uso na gravidez e tem registro na ANVISA, cujo número esta expresso na embalagem. "Produtos para depilação química e autobronzeantes não são indicados no primeiro trimestre. E as tinturas de cabelo apenas deve ser usadas no último trimestre". Detalhe importante: evite os produtos para permanente e alisamento.

Por Juliana Lopes

Comente