Mais mulheres precisam de tratamento para engravidar

fertilidade-tratamento

Foto - Shutterstock

Com o avanço da ciência, mais e mais mulheres buscam ajuda especializada para ter um bebê. Nos Estados Unidos, de acordo com a Society for Assisted Reproductive Technology, em 2012 nasceram dois mil bebês a mais do que no ano anterior a partir de técnicas de fertilização assistida – totalizando quase 62 mil. 

Na opinião de Assumpto Iaconelli Junior, especialista em Medicina Reprodutiva e diretor do Grupo Fertility, cada vez mais os casais priorizam carreira e estabilidade financeira, deixando para aumentar a família depois.

Um dos entraves da maternidade tardia é a queda brusca na taxa de fecundidade feminina. Mesmo analisando somente os tratamentos de fertilização assistida, a queda é acentuada. De acordo com a entidade norte-americana, em 2012 as taxas de sucesso dos tratamentos de fertilização in vitro foram de 40% para pacientes com menos de 35 anos, 31% para quem tinha entre 35 e 37 anos, e de apenas 3,9% para mulheres com 42 anos ou mais.

No ano passado, os resultados aqui no Brasil foram mais promissores. “Alcançamos uma taxa de gestação de quase 45% para mulheres entre 31 e 35 anos e de 40% para pacientes na faixa etária de 40 anos. São bastante expressivas e revelam o quanto temos avançado em termos de tecnologia e profissionais especializados”, revela o especialista.

De acordo com o 7º Relatório do Sistema Nacional de Produção de Embriões, da Anvisa, houve aumento médio de 5% no número de embriões produzidos e ciclos de fertilização in vitro realizados entre 2012 e 2013.

Enquanto a quantidade de embriões produzidos saltou de 93 mil para mais de 98 mil, os ciclos realizados aumentaram de 21 mil para 24 mil – com taxa média nacional de fertilização em 74%. Desde 1978, quando nasceu o primeiro “bebê de proveta”, no mundo todo já nasceram mais de cinco milhões de bebês a partir de técnicas de reprodução assistida.


Por Vila Mulher

Comente

Assuntos relacionados: fertilidade gravidez