Filme nacional destaca importância do parto normal

Filme nacional destaca importância do parto normal

Foto: FreeDigitalPhotos http://bit.ly/JHVdLe

Com previsão de ser lançado no segundo semestre deste ano, o documentário "O Renascimento do Parto" alerta para a necessidade de mudança no processo de nascimentos no Brasil, que atualmente é baseado nas cirurgias cesarianas, em detrimento ao parto normal ou natural.

Nos últimos anos, o Brasil se tornou campeão mundial no número de cesarianas, em virtude da comodidade de ter um parto agendado, colocando a mãe e a criança em risco numa cirurgia muitas vezes desnecessária. Essa situação é abordada no filme de Érica de Paula e Eduardo Chauvet.

No documentário, mães, médicos e especialistas de diferentes áreas, expõem suas opiniões e defendem a valorização do parto natural. O ator Márcio Garcia e sua esposa, a nutricionista Andrea Santa Rosa Garcia, relatam a experiência do nascimento do seu primeiro filho, numa cesariana que marcou a vida do casal.

"É um bando de erros grotescos que a gente vê, só que o moleque sai vivo, daí todo mundo aplaude, parece que o médico fez um milagre. Desculpa, mas quem deu a luz foi a mulher e quem está por trás é Deus, não o homem", argumenta o ator em suas declarações no documentário.

O filme ainda aborda a questão do desprezo pelo preparo natural que o corpo feminino possui desde que o mundo é mundo, desvalorizando o papel da mulher no processo do nascimento. "No surgimento do modelo obstétrico contemporâneo era fundamental que se criasse a ideia de que as mulheres são essencialmente incompetentes, incapazes de dar conta do processo de nascimento por si mesmas", destaca o obstetra Ricardo Jones, autor de livros Memórias de um homem de vidro e Entre as Orelhas.

A opinião da gestante quanto à hora, o local e a forma como dará a luz aos seus filhos é abordado como prioridade, que deve ser respeitada pelos médicos e por todo sistema de saúde público e privado. "O local mais adequando para uma mulher ter seu filho, segundo a Organização Mundial de Saúde, é onde ela se sinta mais segura. Para algumas mulheres o lugar mais seguro é sua casa, para outras, as casas de parto e para outras, continuará sendo os hospitais, mas todas devem ser contempladas pelo nosso sistema de saúde", ressalta Jones.

No documentário, questões como as diferenças de valores pagos pelos procedimentos cirúrgicos e os partos normais também são abordadas de forma direta pelos especialistas, que reforçam que os obstetras ganham mais se estiverem em seus consultórios do que de plantão a disposição do nascimento natural, que dura em média de 15 a 20 horas.


"No nível do planeta, o número de mulheres que dão à luz e as placentas somente pela liberação do coquetel de hormônios do amor está se aproximando de zero", alerta o cientista e médico obstetra Michel Odent, o que, segundo alguns depoimentos, pode afetar consideravelmente o comportamento das próximas civilizações.

Assista o trailer de promoção do filme e conheça as formas de abordagem sobre a importância do parto natural, no link abaixo:

Por Carmem Sanches

Comente