Colestase gravídica: o que é e como evitar

Os hormônios da gravidez podem também desempenhar um papel importante para o surgimento da colestase
colestase gravídica

Foto - Reprodução

A gravidez é um dos momentos mais bonitos e importantes da vida da mulher. Mas ao longo de todo o tempo de gestação, as intensas mudanças hormonais vão desencadeando sintomas que, muitas vezes, não são tão bem conhecidos pelas mulheres. A colestase gravídica é um desses sintomas, que surge no final da gestação e desencadeia coceira intensa, geralmente nas mãos e nos pés, mas muitas vezes ocorre em muitas outras partes do corpo.


A coceira pode ser intensamente desconfortável, mas não apresenta nenhum risco de longo prazo para uma futura mamãe. Para um bebê em desenvolvimento, no entanto, a colestase da gravidez pode ser algo perigoso, e os médicos geralmente recomendam o parto prematuro nesses casos.

O termo "colestase" refere-se à qualquer condição que prejudica o fluxo de bílis - um fluido digestivo - a partir do fígado. A gravidez é uma das muitas causas possíveis da colestase.

Causas da colestase gravídica

As causas da colestase da gravidez ainda não são tão claras. Estudos indicam que pode haver um componente genético; além disso, certas variantes genéticas têm sido associadas ao problema. Os hormônios da gravidez podem também desempenhar um papel importante nesse processo todo. A bílis é um fluido digestivo produzido no fígado, que ajuda o sistema digestivo a quebrar as gorduras. É possível que o aumento dos hormônios da gravidez - tal como ocorre no terceiro trimestre - retarde o fluxo normal de bile para fora do fígado.Eventualmente, o acúmulo de bílis no fígado permite que os ácidos biliares entrem na corrente sanguínea. Sendo assim, os ácidos biliares depositados nos tecidos da mãe acabam por conduzir ao comichão.

Os factores que aumentam o risco de desenvolver colestase da gravidez incluem:

- O histórico pessoal ou familiar envolvendo a colestase da gravidez;

- Histórico de doença hepática;

- Gravidez de gêmeos.

O diagnóstico da doença é possível com exames feitos em amostras de sangue para testes de laboratório, de modo a avaliar quão bem o fígado da grávida funciona. É importante que o exame realizado seja capaz de detectar a quantidade de sais biliares no sangue. Após o diagnóstico feito, o médico poderá prescrever um anti-histamínico ou uso de um creme corticosteróide para aliviar a coceira intensa associada com essa condição. Lembrando que nunca é recomendado que a paciente se auto-medique, pois alguns componentes de medicamentos podem fazer mal ao bebê e comprometer a gestação, a saúde da mãe e do bebê.

Por Renata Branco

Comente