Células-tronco do cordão umbilical a favor da cura de doenças

Células-tronco do cordão umbilical a favor da cura

Armazenar o cordão umbilical tem sido uma ação cada vez mais valorizada para garantir o futuro das crianças. As células-tronco contidas no cordão podem ser úteis quando aplicadas no tratamento e até mesmo cura de enfermidades. Já se utiliza esse recurso na recuperação de pacientes com queimaduras graves, no tratamento da cirrose avançada em estado terminal e na busca do aumento da eficiência no tratamento de doenças de difícil regeneração.

As células-tronco da medula óssea, do sangue umbilical e da placenta possuem maior reatividade do sistema imunológico, diferentemente das células do cordão umbilical. Essa menor reatividade das células-tronco do cordão permite o seu uso em transplantes não-aparentados idênticos ou parcialmente idênticos com menos complicações.

Os brasileiros estão mais conscientes da importância do armazenamento das células-tronco por diversos fatores. Segundo o pediatra especialista em Hematologia e Hemoterapia, Dr. Adelson Alves, da CordCell, empresa que realiza serviço de congelamento de células-tronco, a procura se dá por ocasião da conscientização.

"Hoje as informações têm chegado às pessoas de forma mais rápida, o que gera conhecimento e tem feito com que as pessoas se conscientizem sobre a importância e benefício de ter essas células preservadas. Uma vez entendida sua importância, e com a utilização dessas células-tronco cada vez mais frequente em transplantes, aumenta a quantidade de famílias que optam pelo armazenamento desse material,"afirma o médico.

O exemplo dado por pessoas públicas como Eriberto Leão, Letícia Spiller e Juliana Paes, que fizeram o armazenamento de células-tronco dos seus filhos e são personalidades que possuem forte apelo popular, é uma forma de agregar confiança ao processo.

O médico aponta a importância desse processo. "As células-tronco do sangue do cordão umbilical são consideradas imaturas, "jovens", pois não sofreram exposição a fatores químicos, físicos e biológicos. Essa característica atribui maior potencial terapêutico a elas. Outro fator importante é que cientistas de todo mundo estão aprimorando os estudos com essa fonte de células e demonstram que elas são capazes de gerar outros tipos de célula, como, por exemplo, as do cérebro, o que amplia a gama de possíveis tratamentos futuros além dos que hoje já são conhecidos e realizados na rotina médica, como leucemias, linfomas, mielomas, anemias, entre outros, "explica Dr. Alves.


Processo simples e seguro

Para o médico, neste processo com cordões umbilicais, é importante ressaltar as vantagens como facilidade de captação, disponibilidade imediata para tratamento sem precisar submeter o paciente ou doador a uma dolorosa coleta e menor chance de incompatibilidade em um transplante, sem risco para mãe e para o bebê.

A coleta de sangue do cordão umbilical e placentário é um procedimento simples e rápido, que não interfere no nascimento do bebê. É realizada logo após o parto quando o obstetra "corta" o cordão umbilical separando a mãe do bebê, com uma agulha conectada a uma bolsa estéril, o enfermeiro faz a coleta do sangue presente no cordão umbilical.

O Instituto Nacional do Câncer (Inca), aponta demanda de aproximadamente 1,5 mil pacientes com indicação de transplante de medula que não encontram doador compatível. Este fator aumenta a demanda para armazenamento de células-tronco do cordão umbilical, que surgem na medicina moderna como novo caminho e promessa de cura para várias doenças.

Por Catharina Apolinário

Comente