Acupuntura na gravidez alivia sintomas típicos da gestação

Foto - Shutterstock

Durante a gravidez, alguns sintomas como dores, inchaços, enjoos, vômitos e até depressão são comuns entre as grávidas. Como a proibição de certos medicamentos durante esse período dificulta a amenização desse mal estar, uma ótima saída é a prática da acupuntura.

A técnica chinesa ajuda a mulher a passar pelos nove meses até o pós-parto de uma forma mais tranquila. Ela se baseia na aplicação de agulhas em pontos estratégicos do corpo, como mãos, pés, orelhas e costas, em que terminações nervosas são estimuladas, ajudando a prevenir e acabar com certas doenças.

Além de recomendado durante a gestação, o tratamento com acupuntura pode ter início antes mesmo de a mulher pensar em engravidar - pois ajuda a aumentar a fertilidade - e ser benéfico até a hora do parto - já que diminui as dores da contração.

O tratamento é indicado para gestantes que apresentem sintomas típicos da gestação ou até mesmo para as que querem prevenir. Durante os primeiros três meses de gravidez é adequado para tratar sintomas como enjôo, azia e desconforto. No segundo trimestre ajuda as mulheres com as dores e com os problemas para dormir. Nos últimos três meses é indicado para dores, inchaços e dificuldades para andar.

Uma pesquisa realizada pelo departamento de Psicologia da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, constatou que após o tratamento com acupuntura, 63% das 150 gestantes com sintomas de depressão apresentaram uma redução em 50% dos sintomas após dois meses de tratamento.

Outro sintoma comum e causador de incômodos para as gestantes é a azia. De acordo com estudo realizado pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, em São Paulo, o tratamento por acupuntura ameniza os sintomas de azia, além de melhorar a alimentação e o sono.

Apesar de não oferecer riscos à saúde da gestante e do bebê, é importante que a futura mãe saiba escolher a clínica ideal para o tratamento, com profissionais formados que fazem uso de agulhas descartáveis para evitar a transmissão de doenças e/ou qualquer complicação durante a gravidez.


Ana Carolina Lorente (MBPress)