Quando o adolescente quer viajar sozinho

Quando o adolescente quer viajar sozinho

As férias de final de ano já começaram. É nesta época em que as pessoas mais viajam. Porém, reunir toda a família para um passeio longo pode ser muito difícil. Todos têm compromissos e, geralmente, pai e mãe trabalham. Quando as crianças estão um pouco maiores, escolher o destino tende a ser uma tarefa ainda mais complicada. São quando elas decidem demonstrar o desejo de viajar com os amigos, sem a companhia dos pais.

Maria Irene Maluf, especialista em educação especial, diz que os pais devem esperar que os filhos demonstrem interesse em viajar sem a família. "Esta é uma boa hora para dialogar direitos e deveres, ações e consequências, valores e responsabilidades. Apenas um jovem muito tímido ou totalmente desinteressado não vai pedir aos pais para fazer uma viagem sozinho", diz Maria Irene.

É preciso tomar cuidado e ficar atento para o fato de que os filhos adolescentes não são responsáveis, legalmente, pelos seus atos. Deixá-los viajarem sem a supervisão de um adulto pode ser perigoso. "Penso que um adolescente, antes dos 16 anos, viajar com um grupo de jovens e sem nenhum adulto a quem recorrer, implica em muitos riscos se o jovem não demonstrar ser responsável em diferentes situações do dia a dia", orienta a psicopedagoga.

Maria Irene alerta os pais para cuidados importantes: "Se o adolescente não parece, aos olhos dos pais, amadurecido e responsável para se cuidar sozinho, melhor aguentar as lágrimas dos filhos do que chorar por eles o resto da vida". Também é muito importante que tanto o pai, quanto a mãe estejam de acordo com a viagem. Mentir sobre este assunto para o cônjuge e deixar o filho viajar escondido não é um bom negócio.

Caso não se sintam seguros, o melhor a fazer é conversar com o filho e explicar a situação. "Um não sempre é desagradável de dizer e de ouvir, mas se o jovem foi educado com limites, vai se conformar rapidinho. Se não foi, esta é a oportunidade de ouro para os pais começarem a se impor", sugere Maria Irene. "Não é porque o irmão mais velho viajou sozinho com quinze anos, que o mais novo tem condições de viajar na mesma idade", explica. As pessoas amadurecem em tempos diferentes. É importante que os pais se lembrem que cada filho é um filho, e não pessoas idênticas.

Os pais devem se lembrar que independência não é algo que se conquista da noite para o dia. É preciso prestar atenção nas pequenas atitudes do cotidiano. "Ensinar em casa a se cuidar e a se comportar longe da família é o caminho correto pra ter um adolescente bem centrado e que pode ir conquistando a confiança dos pais a ponto de viajar sozinho", garante a psicopedagoga.

Maria Irene Maluf dá uma dica para os pais de primeira viagem: "Seu filho é responsável? Tem mostrado saber cuidar de si e de suas coisas? Tem controle emocional? Tem o hábito de contar aos pais aonde vai, com quem vai? Se as respostas não forem satisfatórias, melhor postergar a autorização, pois nada pior do que se lamentar por acontecimentos que poderiam ser evitados".


Agora, se as respostas forem satisfatórias, para as questões acima, talvez seja a hora de liberar os filhotes. Sem deixar, claro, de cuidar para detalhes importantes. Com quem seu filho vai? De que forma? Aonde? Quanto tempo? Há adultos por perto? "Isso não é desconfiança: é responsabilidade e cuidado", garante Maria Irene.

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente