Quando a criança não quer comer

[img=2]

Existem pais que não conseguem fazer com que seus filhos comam alimentos saudáveis, porém, existe uma situação ainda pior: quando as crianças não querem comer alimento nenhum. Para algumas crianças e pais a hora da refeição é um sofrimento. Choro, brigas, confusão, tristeza, tumulto, toda refeição é assim. Mas como os pais devem agir para mudar isso?

Carla Alegre ficava muito preocupada porque a filha Bruna Alegre Mendes não comia. Ela conta que a menina mamou no peito até os dois anos e acredita que isso tenha comprometido a alimentação. "Fui ao pediatra várias vezes por causa disso e ele detectava que o peso e a altura dela estava de acordo com a idade, às vezes até um pouco acima, então me tranquilizava, sabia que ela estava bem, crescendo e engordando, e ele afirmava que eu deveria me preocupar quando isso não acontecesse mais", contou.

A mãe conta que hoje, aos 5 anos, a menina se alimenta melhor, mas não gosta de comer comida, mas que já fez de tudo para conseguir algum êxito nas refeições. "Agora ela come bem melhor, mas ainda assistindo desenho. Porém, já fiz de tudo para ela comer, até andando de bicicleta pela casa e passando pela mesa pra pegar uma garfada já aconteceu", lembrou Carla.

Carla lembra que existem comidas que a filha não gosta, mas apesar de comer de saladas a menina dá preferência para ‘tranqueiras’. Porém uma abordagem da escola sobre alimentação saudável ajudou a fazê-la entender que era preciso comer frutas, por exemplo.

O Dr. Marcelo Reibscheid, pediatra do Hospital São Luiz e criador do portal Pediatria em Foco, lembra que devemos estimular mas nunca forçar a criança a comer. "Sempre devemos usar aquilo que eles mais gostam, para servir "vetor" para aquilo que não gostam. Por exemplo, podemos pegar um macarrão e colocar verduras legumes e carne. O que é muito importante: se não aceitarem a refeição, não substituam por nada. Eles têm que ficar com fome e perceber que se não comerem o que precisam, não receberão o que querem", lembrou.

Segundo o médico, por volta dos 2 anos as crianças tornam-se seletivas, ou seja, começam a ter paladar e gostar mais de algumas coisas e menos de outras. O médico lembra que é muito importante que os pais mantenham o pulso em relação à educação alimentar dos filhos. "São eles que devem falar o que os filhos devem comer e nunca o contrário", ressaltou o médico.

Veja as dicas do médico

- Fazer tudo de forma lúdica e descontraída. Sem essa de que não se pode brincar durante a refeição.

- Pegue um brinquedo e coloque no cadeirão junto com seu filho.

- Conte estorinhas, cante.


Você pode fazer quase tudo, menos liberar a TV durante as refeições. "E o mais importante: tenha paciência e tempo, pois às vezes a refeição poderá durar até 1 hora", encerrou.

Por Catharina Apolinário

Comente