Propagandas de alimentos para crianças

Propagandas de alimentos para crianças

Quem tem filhos vai ficar surpreso com a notícia. Uma pesquisa do Ministério da Saúde revela que excesso de gordura, sal e açúcar está em grande parte das propagandas infantis. As mais freqüentes são: fast-food (18%), guloseimas e sorvetes (17,%), refrigerantes e sucos artificiais (14%), salgadinhos de pacote (13,%) e biscoitos doces e bolos (10%). Somados, alcançam 72% do total de anúncios.

As campanhas passam com maior freqüência das 14h30 às 18h30, horários que as crianças estão mais em casa. Isso não é à toa, afinal, a indústria sabe que os pequenos consumidores são mais vulneráveis aos apelos emocionais e bastante representativos na decisão de compra da família.

"A alimentação do brasileiro está se tornando problemática. Isso é percebido pelo elevado número de doenças crônicas no país: 60% dos recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) são gastos com o tratamento de hipertensão, diabetes, doenças coronarianas, doenças que têm na alimentação um fator de risco", aponta a coordenadora-geral da Política de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, Ana Beatriz Vasconcellos.

Sendo assim. O incentivo a boa alimentação deve fazer parte da lição de casa. Para isso, os adultos devem incentivar e criar condições para uma alimentação equilibrada. “A teoria deve estar de acordo com a prática: o acesso fácil aos alimentos saudáveis necessita fazer parte da rotina de casa e dos lanches escolares”, acrescenta a psicóloga Flávia Leão Fernandes.

Fonte: Ministério da Saúde

Por Juliana Lopes

Comente