Procuradora Vera Lúcia, uma bruxa?

"De tudo aquilo de que estão me acusando, admito uma coisa: chamei a menina de cachorra mesmo. (?) Mas discordo da maioria das pessoas que agora me condenam: para mim, chamar alguém de cachorro não é ofensa."

"Quando morrer, por que deixar minha pensão para o estado?. Foi por isso que decidi adotar essa menininha."

"O ferimento na testa eu sei o que foi: dei à menina umas uvas sem caroço, que ela espalhou pela casa toda e acabou se esborrachando."

"No conselho tutelar, teve gente espalhando que eu frequento seitas satânicas, uma mentira. Será que querem me prejudicar? Se for, é bom que saibam: a cadeia dói. Meu lugar não é aqui."

E, ao ser questionada se ainda tem vontade de adotar uma criança:

"Acho que não mais. Meu sonho era ter adotado três, para formar a família que nunca tive. Adoro crianças. Não faria sentido nenhum torturar uma menina que cuidaria de mim na velhice, certo? Só se eu fosse louca."

Fonte de trecho e imagens: Veja

O trecho acima faz parte da entrevista que Vera Lúcia de Sant?Anna Gomes concedeu ao repórter Ronaldo Soares.

Vera Lúcia de Sant?Anna Gomes, procuradora, 66 anos, está sendo acusada de ter torturado uma menina que pretendia adotar. T.E. de dois anos de idade estava sob sua guarda já havia 29 dias. Segundo testemunhas, a menor T.E. era constantemente xingada e agredida por Vera Lúcia. Quando foi "resgatada" da residência da procuradora, a menina mal podia abrir os olhos de tão inchados.

Hoje a menor T.E. está de volta ao abrigo onde esteve antes de ser levada por Vera Lúcia. Segundo a revista Veja, a menina pouco come e quase não fala.

Se foi, a procuradora Vera Lúcia, a autora da tortura, fica a pergunta: o que leva alguém a retirar uma criança de um abrigo, querer adotar essa criança e agir com tal brutalidade? Aos 66 anos, Vera Lúcia, mesmo tendo casado duas vezes (atualmente é casada com o advogado Jair Leite Pereira), nunca teve filhos. Talvez, por ela mesma saber de sua incapacidade de ser mãe. E sabendo dessa incapacidade ainda assim, retira uma menina de um abrigo e para que? Maltratá-la? Que tipo de frustrações tem essa mulher?

Ao ser questionada sobre os xingamentos que proferiu contra a menina, ela ainda afirma que chamar alguém de cachorro não é uma ofensa. E se fosse com ela? Ah... Aí ela disse: depende do tom. O tom utilizando não foi ofensivo? E porque? Cara procuradora, a menor T.E. é uma criança. Não é uma mini adulta. Criança faz birra, faz arte. Então é dessa forma que pretendia educar as 3 crianças que queria adotar?

Quem assitiu ao jornal ontem, viu a entrevista que Vera Lúcia deu para a tv. Francamente, se não foi ela, o que acho muito improvável, devido as provas e testemunhos que há, o responsável deve ser punido. Afirmar que ela falava a verdade, somente quando disse que agiu com agressividade sim, contra a menina. Mas ao dizer que foi somente uma vez, isso não... As palavras que saiam de sua boca eram trêmulas, eram de culpa. Não era necessário nem por um detector de mentiras, para perceber que falava mentiras.

Que a menor T.E. não seja a única criança em vias de adoção, vítima de maus tratos, a ser denunciada para a justiça. Não desejo também que seja a única. Mas, bem sabemos que pessoas da mesma índole maldosa existem aos montes. Adotar é bem um ato de amor bem maior que o de gerar e dar a luz. Pois não é uma criança que chega, às vezes, mesmo sem ser programado. É uma criança que você escolhe para ser teu filho. E ela escolhe para que seja pai ou mãe dela. É uma escolha do coração.

A revista Veja refere-se a procuradora como bruxa má. Não... Sendo ela, a verdadeira autora desse crime bárbaro contra essa criança indefesa, ela não seria uma bruxa. Bruxas são personagens de histórias. Se for realmente culpada, é uma criminosa mesmo e deve pagar pelo crime cometido!

Comente

Assuntos relacionados: notícia artigo desabafando