Pais adotivos devem ajudar os filhos a encontrar a família biológica?

Filho adotivo em busca da mãe biológica

Não é raro que pessoas que foram adotadas quando crianças desenvolvam o desejo de conhecer seus pais biológicos. Isto, por mais normal que seja, deixa os pais adotivos apreensivos e temerosos. Daí surge a pergunta: pais de coração devem ou não ajudar os filhos a encontrar a família de origem?

Segundo Paula Pessoa Carvalho psicóloga comportamental especializada em Terapia Clínica Analítico-Comportamental pela USP, é normal que pais adotivos desejem que seus filhos nunca queiram revirar o passado em busca de sua mãe biológica.

É possível criar uma lista destes medos e todos eles giram em torno do sofrimento do filho e deles próprios. "Eles têm pânico de dividir esse filho com outra família, receio de que esse filho prefira a outra família, de que ele seja rejeitado pelas pessoas que o deram para adoção e sofra com a frustração, de ele queira, de alguma forma, que essa família agora também faça parte da sua", afirma a psicóloga.

Quando este desejo surge as famílias reagem de formas diferentes. Paula Pessoa Carvalho conta que as recepções são variáveis da relação daquele grupo familiar particularmente. A psicóloga diz: "A reação primeira que se é esperada é de negação ou impedimento. A família adotiva tende a negar esse desejo ou pedido, para ver se o filho desiste da ideia ou esqueça". Outra reação possível é a de dificultar este reencontro, negando informações importantes para a busca. Embora não raramente pais e mães tenham atitudes diferentes, um apoiando e o outro negando ajuda.

Porém quem deseja ver o filho amado bem e feliz deve apoiá-lo nesta busca. Paula alerta: "Por mais difícil que seja para a mãe ela deve pensar que pode ser ainda mais difícil para o filho e que só ela poderá ajudá-lo diante de qualquer coisa que ele venha a encontrar. Desde uma mãe biológica que o receba de braços abertos até a rejeição dessa mãe."

E sugere: "A mãe pode participar dessa saga ao lado do filho fornecendo informações importantes, sempre dizendo que estará sempre lá independente do que se encontre nessa busca e deixando-o livre para escolhas". Paula lembra que todos os filhos querem saber a história de nossos pais e avós. Os filhos adotados não são diferentes. A psicóloga opina: "Eles quererem olhar para alguém e se reconhecer, saber se têm irmão e primos. Porque eles foram dados a adoção, se não tinha outra forma. Enfim, podem ser muitos os motivos."


Caso o sonho deste jovem seja realizado e ele reencontre a família biológica, os pais adotivos devem dar espaço para ele viver este momento pessoal ao lado da mãe que lhe deu a luz. Os pais adotivos que têm medo de perder o filho devem dividir com ele este receio, a fim de mantê-lo perto sempre. Fora isso, observe as reações do jovem diante ao encontro, note como ele reagiu.

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente