O poder das refeições em família

O poder das refeições em família

Se para você a imagem de refeição em família é aquela em comercial de margarina, saiba que sentar à mesa e comer de maneira unida pode mudar a cara das relações dentro de casa.

Tanto que a Unilever, empresa multinacional presente nas refeições de mais de 320 milhões de pessoas no mundo, todo lançou a campanha “Toda refeição é uma oportunidade”, com a missão de mobilizar as pessoas sobre a importância do hábito de comer em família.

No ano passado, a Knorr, do grupo Unilever, fez um o estudo “O Poder das Refeições”, que analisou os impactos positivos das refeições familiares de qualidade, além de traçar um panorama mundial do comportamento das pessoas do Brasil e de outros 12 países em relação ao tema.

A principal conclusão foi de que o costume de comer em família pode gerar mudanças reais na vida das pessoas, com benefícios para o bem-estar físico, social, emocional e nutricional de crianças e adultos.

“O objetivo do relatório era compreender o comportamento de representantes de diferentes culturas e estilos de vida em relação ao tema. Nesse contexto, as refeições despontaram como uma ferramenta poderosa para transformar vitalidade em algo real em suas vidas”, diz a diretora de alimentos da Unilever, Marcela Mariano.

O documento aponta que dividir a mesa com pessoas queridas contribui para a saúde e a alegria e estimula o desenvolvimento e a aprendizagem das crianças, com melhora no vocabulário e no desempenho escolar. Foi verificado, também, que aqueles que realizam refeições regulares em família reportam o consumo de duas porções diárias a mais de frutas e vegetais do que os que não mantêm esse hábito.

De maneira global foi identificado que, entre outras questões, independentemente da classe social ou da nacionalidade, a refeição em família ainda é considerada muito importante para a sociedade moderna. De acordo com os entrevistados, 60% declararam que esse é o momento para estar junto da família. No Brasil esse número é de 79%. Para 93% das paulistanas, por exemplo, é o principal momento de conversa com os filhos.

A refeição mais importante para reunir a família no Brasil é o jantar, de acordo com 70% das entrevistadas. E a conversa parece estar em segundo plano, já que a TV se mostra bastante presente em todo o mundo.

Ainda segundo a pesquisa, a mulher moderna brasileira gosta de cozinhar pratos simples, sem muitos ingredientes ou medidas complicadas. Ainda assim, 59% veem o ato de cozinhar uma obrigação. Para elas, mais importante do que a preparação em si é compartilhar a refeição com a família, receber os elogios e ser valorizada pelo trabalho. A comida do dia-a-dia tem grande carga emocional, antes de ser saudável ou prática. Para 85%, o momento da refeição é de prazer. Os principais assuntos debatidos à mesa são o comportamento dos filhos, escola e os planos para o futuro e a refeição em família tem média de duração de 30 minutos e é realizada aproximadamente seis vezes na semana.

Para o sociólogo Claude Fischler, do Centro de Estudos Transdisciplinares - Sociologia, Antropologia e História da França, o ato de compartilhar refeições é fundamental para as sociedades, culturas e, principalmente, para a evolução humana. “As refeições regulam hábitos sociais e o comportamento individual, através de como são culturalmente representadas e realizadas. Atualmente, são bastante efetivas também para regular os hábitos alimentares, pois há indícios de que refeições em família significam melhor saúde e nutrição, já que os indivíduos prestam mais atenção ao que comem”, diz.


A psicóloga France Bellisle, estudiosa de comportamento alimentar e da obesidade, destaca a importância desses momentos para a educação das crianças. “É uma oportunidade privilegiada para ensinar muitas habilidades às crianças, sejam elas relacionadas aos alimentos, ou não. Manter a qualidade desse momento de compartilhamento é um bom investimento para a saúde e o bem-estar futuros dos filhos”, finaliza.

Ainda que a refeição principal da família continue ocorrendo à mesa, é um ritual em declínio, de acordo com os entrevistados. É importante ressaltar que o momento da refeição de boa qualidade raramente está ligado a comer só ou em frente à televisão.

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente