Nosso presente de dia das mães

Se perguntássemos para nossas avós, na época em que elas tinham por volta dos 30/40 anos, o que elas queriam de presente de dia das mães a lista que elas fariam, provavelmente, seria recheada de itens voltados para a casa e o bem estar da família. Pediriam uma nova batedeira, um fogão novo ou algum outro super lançamento que deixasse a família mais feliz. A realidade, nessa época era bem diferente do que vivemos hoje. Até aí, nenhuma novidade.

O que mais me surpreende hoje, para essa mesma pergunta feita para mães que trabalham, é que as respostas passam longe apenas da esfera doméstica.

Os “pedidos” das mães que trabalham, das equilibristas como costumo chamá-las, revelam uma enorme vontade de ter mais tempo!! Horas disponíveis é o maior sonho das equilibristas. E não é para menos. Da época das nossas avós para cá, só fomos acumulando atividades sem abrir mão de quase nada. Claro que hoje temos um arsenal de eletrodomésticos para facilitar a vida doméstica, mas nem por isso temos menos trabalho.

Vivemos em atividade constante, dentro e fora de casa. Trabalhamos em jornadas duplas ou triplas. Seguimos sendo as principais responsáveis pela casa, pelo controle do que falta na despensa, pelo uniforme da escola dos filhos, pelo preparo do jantar. E ainda temos, cada uma de seu jeito, nossas atividades profissionais. Ufa! É coisa para super mulher. Pelo menos é assim que nos sentimos, um pouco heroínas de nossos mundinhos.

Cecília Russo Troiano é psicóloga, sócia-diretora da Troiano Consultoria de Marca e autora do livro “Vida de Equilibrista”. Casada e mãe de 2 filhos, ela afirma que é mãe equilibrista, vive sua vida tentando equilibrar “pratinhos”. Email - cecilia@troiano.com.br / Venda do livro pelo site www.vidadeequilibrista.com.br

Comente