Nativas digitais

Nativas digitais

Mouse, play, game, delete, download... O inglês, língua mundial oficial, torna-se cada vez mais comum no dia-a-dia, inclusive das crianças. Elas já nascem cercadas por estrangeirismos e crescem bombardeadas por informações que chegam através da Internet, meio de comunicação que traz muitos termos não traduzidos. Mas será que isso pode ajudar no ensino aprofundado da língua?

"Claro! As crianças de hoje são consideradas ‘nativas digitais’, pois nasceram num mundo globalizado e informatizado", afirma Camila Leon, especialista em ensino da língua inglesa. Para ela, a rede e os meios de comunicação em geral têm oferecido informações em vários idiomas, facilitando a familiarização com uma segunda língua.

"Este aprendizado informal auxilia na ampliação da leitura de mundo, na qual você pode não saber pronunciar corretamente a palavra, mas entende o significado através da escrita. Ninguém ensinou para as crianças que ‘game over’ significa ‘final do jogo’, mas elas entendem perfeitamente seu significado ao jogar no vídeo game ou no computador", completa.

Outro fator que contribui para o fácil aprendizado de meninos e meninas é o próprio organismo dos pequenos. "O aparelho fonético-fonológico das crianças ainda não está totalmente formado. Portanto, elas terão mais facilidade em pronunciar palavras que se utilizam de diferentes movimentos de articulação oral. Palavras em inglês que possuem o fonema ‘th’ e as que começam com ‘r’ em espanhol, por exemplo, geram muita dificuldade de pronúncia entre adultos brasileiros. Já entre as crianças a dificuldade é menor", diz Camila, que também é coordenadora da Diálogo Idiomas e consultora em língua inglesa do portal Planeta Educação.


Mesmo com esses fatores favoráveis, é preciso usar de criatividade e recursos dinâmicos de aprendizagem para aproveitar a melhor idade que, segundo pesquisa da University College de Londres, é entre os 5 e 10 anos. "Ao avaliar os cérebros de 105 pessoas, os pesquisadores constataram que aquelas que cursaram inglês nessa fase da vida fizeram mais conexões cerebrais, registraram aumento da massa encefálica e, portanto, adquiriram mais chances de serem fluentes na língua. Então, quanto mais cedo a criança tiver contato com outra língua, mais fácil será o aprendizado", finaliza a especialista.

Por Priscilla Nery (MBPress)

Comente