Natal com espírito reciclado

Esta quadra natalícia está a ser marcada por dois momentos contraditórios. Por um lado, a cimeira de Copenhaga que nos desperta para a problemática das alterações climáticas e por outro, o consumismo desmesurado que invade de forma descontrolada os grandes centros urbanos.

E porque Natal é tempo de partilha, reflexão e introspecção, decidi desafiar o nosso espírito criativo e repensarmos o conceito de presente. Em vez de sugerir uma lista de prendas, ou tentar divulgar uma filosofia anti-consumista de tom moralista, preferimos encarar este momento como a oportunidade ideal para recuperarmos o espírito original que motivava os nossos pais e avós a envolverem-se na celebração do Natal com uma atitude mais solidária, generosa e até mais económica e sustentável.

Recuperar esse espírito, não implica que nos limitemos a reproduzi-lo, mas sim a inspirarmo-nos naquilo que era a sua génese, para depois a adaptarmos às novas tendências.

Explore os seus dotes. Partilhe o que sabe ou tem de melhor!

O segredo está no facto de rentabilizar aquilo que faz naturalmente bem e oferecê-lo. Se souber cozinhar pode oferecer geleias, biscoitos, licores e bombons caseiros. Se tem uma plantação de roseiras, um pomar, um canteiro com ervas aromáticas pode oferecer mini jardins. Se souber tricotar ofereça camisolas, bolsas, gorros e cachecóis… E tudo com um toque personalizado!

Se não tiver grande jeito para a jardinagem, culinária ou para tricotar há que apostar em pequenos workshops e na sabedoria da “prima” que domina as manualidades e a arte de seduzir os palatos.

Mas para tudo é preciso um tempo, e enquanto não é conhecedor destas técnicas, valorize os pequenos gestos e invista na descoberta de si e do outro.

Entretanto tome nota de algumas das sugestões que impulsionarão esta mudança na forma de dar:

■Em vez dos brinquedos sofisticados ligados às novas tecnologias, privilegie os que vêm de locais distantes e das nossas aldeias escondidas que fazem as crianças entrar numa viagem pelo tempo e mundo fora.

■Junte-se a uma das muitas instituições de solidariedade espalhadas por todo o país e faça companhia aos sem abrigo da sua cidade com uma sopa rica em proteínas e afecto.

■Abra gavetas e caixas e descubra objectos esquecidos. Espante-se com a sua originalidade e ofereça-os como presentes vintage.

■Convide os seus amigos mais solitários a passar o Natal consigo.

■Compre nos mercados locais artesanato e agricultura biológica nacional, apoiando jovens talentos e iniciativas ecológicas.

■Faça uma recolha das receitas mais antigas da sua família e ofereça-as como um tesouro gourmet para os mais gulosos.

■Plante uma árvore num dos muitos parques naturais e dedique-a a alguém especial.

■Inicie e acompanhe aqueles que revelarem mais interesse e aptidão num desporto que domine.

Acreditamos que a mudança é impulsionada por pequenos gestos como estes. Para este Natal desejamos-lhe criatividade e disponibilidade para se poder dedicar ao desafio que é reinventar a forma de dar, recusando a compra fácil e automática, optando pela oferta mais personalizada, que utiliza o talento, a gentileza, a alegria, o conhecimento e que os partilha de forma generosa.

Descubra desafios, construa pontes e reencontre os laços de esperança e afecto que julgou perdidos e esquecidos.

Comente