Medo do Escuro

[img=1]

Não adianta negar. Crescer dói os ossos.

Piadas de baixinhas à parte, estamos o tempo todo crescendo, amadurecendo, evoluindo, e ficando mais velhos todos os dias.

E quanto mais velhos, mais vergonhoso é pedir colo. E quem não tem vontade de pedir colo, só está alguns minutos atrasado. Mais cedo ou mais tarde, a corda arrebenta, a bola fura ou o joelho rala.

E na crise, percebemos como nos tornamos órfãos.

Órfãos de um sentimento materno do mundo inteiro olhando por nós mesmos.

Precisamos de mais homens e mulheres que sejam mães. Chefes-mães, colegas-de-trabalho-mães, irmãos-mães, amigos-mães, cobradores-de-ônibus-mães, professores-mães, alunos-mães, etc.

Precisamos de pessoas que nos abram um sorriso em dias nublados; que sejam capazes de se colocar no nosso lugar e aceitar que a nossa história faz de nós quem somos, e que não cabe a elas julgar; e que estejam dispostas a doar-se por nós: uma fração do seu tempo, atenção e pensamentos.

Estamos órfãos é de preocupações. Não na nossa cabeça, mas no pensamento e atitudes de quem nos cerca.

Esse é um apelo inspirado nas mães de verdade, mas voltado a quem interessar. A quem contribui para derrubar a solidão que todos sentimos em relação ao mundo lá fora. A quem admite que sempre será eternamente responsável por tudo aquilo que cativa.

Assuma a maternidade do mundo. E estou falando do seu mundo - não precisa vender a casa e salvar as crianças famintas da África (mas eu seria sua fã se você o fizesse). Estou falando das pessoas que moram na sua casa, os vizinhos do seu condomínio, o motorista da linha de ônibus que você pega todos os dias, o tiozinho do estacionamento, o seu chefe, seu colega de trabalho e até a tia do buffet por quilo.


Independente de razão ou merecimento, assuma o sentimento materno em relação ao próximo.

Marianna Greca é publicitária e nerd assumida. Social Media, webwriter, tradutora e desenhista compulsiva. Tão louca por Internet quanto pela Ilíada. Acredita que assumir a maternidade do mundo é o melhor caminho para a felicidade.

Comente