Mãe compartilha loucura das filhas por Justin Bieber

Adolescentes fanáticas por Justin Bieber

Foto tirada pela mãe Vânia Maria da Silva na porta do hotel. Foto/arquivo pessoal

O fenômeno teen Justin Bieber chegou ao Brasil na madrugada de terça-feira (04) para uma turnê de quatro shows, dois no Rio de Janeiro, dois em São Paulo e um em Porto Alegre. O rapaz de 17 anos tem levado meninas das mais diferentes idades à loucura.

As fãs já mostraram que fariam qualquer coisa para ver o ídolo de pertinho. Muitas delas ficaram horas da bilheteria na fila ou lutaram contra o sono para comprar pela internet um ingresso e garantir a chance de ver Bieber ao vivo.

E, muitas vezes, todo esforço para ver o ídolo é compartilhado com os pais. Foi o que aconteceu com Vânia Maria da Silva, que não tinha dinheiro para comprar ingresso para as filhas Gabrielle, de 14 anos, Francielle, de 13 anos, e para as duas primas, Kathlyn (13) e Karine, (12), mas compensou de uma forma que também foi especial: levou as meninas até a porta do hotel Copacabana Palace para verem o cantor canadense.

Deixou um vizinho cuidando da mãe, que está doente, e foi satisfazer o desejo das meninas. Para suportar a espera, muita água e pão com mortadela. "Ficamos lá cerca de cinco horas. Até que Justin Bieber apareceu na sacada com a bandeira do Brasil. Ele foi muito carismático, jogou beijos e cantou com o público. Foi muito emocionante", conta.

Como Francielle não foi porque estava na escola, Vânia levou uma foto e uma camiseta da filha para o local. "Havia muitos mães e pais lá, meninas de uniforme... era uma energia muito boa. A espera foi muito grande, mas acho que foi até melhor do que o show. Pudemos vê-lo bem de perto e nem fomos pisoteadas. Quem comprou o ingresso talvez não tenha essa mesma chance", pensa.

A mãezona conta que as meninas viram o cantor no YouTube e quando ele lançou o hit "Baby", elas não pararam de cantar. "Eu acho que Justin Bieber chama a atenção por causa do seu rostinho de bebê e pelo jeitinho doce. É como se as meninas quisessem cuidar dele. Ele é um fofo", explica.

Adolescentes fanáticas por Justin Bieber

A fã Stefanie Gonçalves

Já a estudante Stefanie Gonçalves, de 20 anos, adquiriu o ingresso para a Pista Premium pela internet e agora está contando as horas para ver o ídolo. Ela e a irmã mais nova, de 14 anos, vão ao show de sábado (08), em São Paulo. "Nós vamos dormir na fila de sexta para sábado. Pensei em levar barraca, mas será ruim carregá-la durante o show. Então vamos ficar lá, sentadinhas, esperando os portões se abrirem", conta a jovem.

Stefanie disse que gosta de Justin Bieber desde o comecinho da carreira e foi apresentada ao cantor pela irmã. "Ela e umas amigas acharam o vídeo na internet e me mostraram. Eu assisti e passei a gostar também". Quando questionada sobre o que lhe chamava atenção no cantor, a jovem disse: "Tudo. A voz, o jeito... Ele é lindo! As letras das músicas dele são lindas, ele é super romântico... Ele é muito fofo!"

O look da jovem ainda não está totalmente definido, mas a camiseta com a foto de Justin estampada e a máquina para fotografar e filmar não vão faltar. "Também vou pintar os corações no rosto. Ele adora!", garante ela.

Justin está no hotel que fica ao lado da faculdade onde Stefanie estuda. "Assim que sair da faculdade, vou passar lá para ver se consigo vê-lo. Quero muito chegar perto dele", diz.

E ao final do show, a fã sonha em entrar no camarim. "Eu vi no filme dele que o produtor costuma ficar procurando meninas para subir ao palco e entrar no camarim. Seria bom se eu o encontrasse por lá, né?" E até já tem uma tática para chamar a atenção dele: "Eu vou gritar muito, e acho que também vou chorar. Vou ficar emocionada quando o vir. Ele é demais!"


Surpresas para o astro teen

As fãs do cantor canadense prometem agraciá-lo com mimos durante os cinco shows. Algumas canções serão marcadas por manifestações carinhosas dos fãs. Quando Justin cantar "U Smile", o público deve soltar bexigas roxas. E na hora do hit "One Less Lonely Girl" os fãs vão levantar os corações vermelhos.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente